SP reduzirá intervalo entre doses de vacina da Pfizer contra Covid-19

·2 minuto de leitura
Profissional da área da saúde segura uma seringa com a vacina Pfizer/BioNtech

Por Eduardo Simões

SÃO PAULO (Reuters) - O governo do Estado de São Paulo anunciou nesta quarta-feira que reduzirá o intervalo entre a aplicação da primeira e da segunda doses da vacina da Pfizer contra Covid-19, que atualmente é de 90 dias, assim que receber mais doses do imunizante do Ministério da Saúde.

"O governo do Estado de São Paulo vai seguir a recomendação da redução do intervalo da vacina da Pfizer. Os nossos técnicos, os nossos médicos, enfermeiros e profissionais da Secretaria de Saúde... entendem que é possível reduzir o intervalo entre a primeira e a segunda doses da vacina da Pfizer", disse o governador João Doria (PSDB), em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista.

"Aliás, como estabelece o próprio fabricante, o próprio laboratório da Pfizer, que atesta a eficácia e a segurança da vacina num prazo bem inferior aos 90 dias que tem sido praticado no Brasil. Na América, isso acontece num prazo de 30 dias, e é exatamente neste caminho que estamos caminhando."

No sábado, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse que o governo pretende reduzir o intervalo de aplicação entre as doses da vacina da Pfizer a partir de setembro, quando toda população com mais de 18 anos deverá ter recebido ao menos uma dose de uma vacina contra o coronavírus.

O ministro pediu mais cedo nesta quarta que os Estados sigam a orientação prevista no Programa Nacional de Imunização, sem reduzir intervalo entre doses ou adiantar a aplicação de uma terceira dose, por exemplo, para que seja possível cumprir a meta de vacinação para todo país.

Em São Paulo, 93,39% das pessoas com mais de 18 anos receberam ao menos uma dose de uma vacina contra a Covid-19, segundo dados da Secretaria de Saúde paulista, e o Estado iniciou nesta quarta-feira a vacinação de adolescentes de entre 12 e 17 anos.

A bula das vacinas da Pfizer indica a aplicação da segunda dose 21 dias depois da primeira, mas o governo brasileiro decidiu estender o prazo para três meses inicialmente por temor sobre o cronograma de chegada dos imunizantes ao país.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos