SP tem 34 focos de atos golpistas e vai usar diálogo para desmobilização, diz secretário de Tarcísio

SÃO PAULO, SP, 09.01.2023 - ACAMPAMENTO-BOLSONARISTA: Desmonte do acampamento de golpistas bolsonaristas em frente ao Comando Militar do Sudeste, no Ibirapuera, na capital paulista, nesta segunda-feira. (Foto: Adriano Vizoni/Folhapress)
SÃO PAULO, SP, 09.01.2023 - ACAMPAMENTO-BOLSONARISTA: Desmonte do acampamento de golpistas bolsonaristas em frente ao Comando Militar do Sudeste, no Ibirapuera, na capital paulista, nesta segunda-feira. (Foto: Adriano Vizoni/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O secretário de Segurança Pública de São Paulo, Guilherme Derrite (PL), disse nesta segunda-feira (9) que são monitorados 34 focos de atos golpistas no estado. O que mais preocupa, diz, é o acampamento de bolsonaristas em frente ao Comando Militar do Sudeste do Exército, no Ibirapuera, na capital, que começou a ser desmontado pela Polícia Militar nesta segunda.

Apesar de o ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), ter determinado a desocupação de todos os acampamentos nas imediações de quartéis pelo país, Derrite disse que a polícia iniciaria o "diálogo" com os bolsonaristas na tarde desta segunda.

"É a certeza de que esse é o caminho. A gente vai cumprir a decisão judicial, mas a maneira como ela será cumprida vai ser o diferencial aqui em São Paulo. É uma orientação do governador [Tarcísio de Freitas] para que isso seja feito de maneia pacífica, e entendo que assim será", disse o capitão Derrite.

O secretário não informou quantos desses 34 focos são de acampamentos de bolsonaristas. Além do grupo em frente ao quartel da capital, Derrite disse haver preocupação com manifestações em Campinas.

Derrite é oficial da reserva da PM e bolsonarista próximo do ex-presidente Jair Bolsonaro. No domingo, ele disse ao jornal Valor Econômico que "entende o sentimento" de bolsonaristas extremistas que se recusam a aceitar a vitória do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

"Quando chegou a decisão do STF, a gente se reuniu para dar cumprimento. Isso vai ser feito com uso escalonado [de força]. A gente vai, por meio do dálogo, informar aos manifestantes que há uma ordem judicial de desemobilização dos acampamentos."

Na noite de domingo (8), o gestão de Tarcísio de Freitas (Republicanos) determinou a instalação de um gabinete de crise que monitora atos golpistas no estado. Derrite afirmou que a inteligência da polícia monitora a situação, que, segundo ele, é "tranquila" em São Paulo.

"As ações que aconteceram em Brasília não encontram similaridade com os manifestantes de São Paulo. Aqui, temos uma situação de tranquilidade", disse.

Derrite, contudo, não quis comentar a invasão e depredação do Palácio do Planalto, do Congresso Nacional e do STF no domingo. Também não comentou a atuação das forças de segurança do Distrito Federal, acusadas de omissão.