Stéphanie Frappart: quem é a primeira mulher a arbitrar uma partida de Copa do Mundo

Independente do resultado, a partida entre México e Polônia já entrou para a história do futebol. Isto porque a francesa Stéphanie Frappart, que ocupa o papel de quarta-árbitra do jogo, se tornou a primeira mulher a arbitrar uma partida de Copa do Mundo masculina.

Brasil só tem duas mulheres na delegação da Copa: quem são e por que uma não está na foto oficial?

Ditadura, mulheres, população LGBQTIA+, trabalho escravo: entenda as polêmicas na Copa do Catar

Aos 38 anos, Stéphanie compõe o quadro de árbitros da Fifa desde 2011, e coleciona feitos. Ela foi a primeira mulher a apitar partidas da primeira divisão do campeonato francês, assim como da Liga dos Campeões da UEFA e também nas eliminatórias da Copa do Catar. Além disso, ela também arbitrou a final da Supercopa da UEFA 2019/20, entre Liverpool e Chelsea

Nessa temporada, Stéphanie foi a responsável por apitar a partida entre Real Madrid e Celtic, em novembro, que terminou 5 a 1 para a equipe espanhola. Na ocasião, Rodrygo e Vini Jr. marcaram um gol cada um.

Tabela da Copa: Datas, horários e grupos do Mundial do Catar

Segundo o site britânico "The Athetic", a paixão dela por futebol veio através do pai, jogador amador do time local da cidade de Herblay-su-Seine, nos arredores de país, onde a família vivia. A menina, que assistir os jogos do pai todo fim de semana, acabou se matriculando num curso para aprender as regras do jogo. Ela começou a apitar aos 13 anos, em pequenos jogos infantis. Aos 18, arbitrou o campeonato nacional Sub-19.

Numa entrevista a Federação Francesa de Futebol (FFF), ela explicou por que escolheu a arbitragem:

– Como torcedor de futebol e jogador de um pequeno clube de Val d'Oise, queria aprender as regras do meu esporte. Apaixonei-me pela arbitragem em muito pouco tempo, logo após os meus primeiros apitos – disse Stéphanie.

Segundo o canal americano "CBS", ao ser anunciada como parte da equipe de árbitros da Copa de 2022 pela Fifa, ela falou sobre atuar num Mundial sediado num país que trata mulheres de maneira inferior e afirmou que não iria ao Catar se não fosse pelo torneio:

– Eu irei lá pela competição. Eu não iria lá pelo ambiente. Mas talvez esta Copa do Mundo melhore os direitos das mulheres no país.

Outras duas mulheres também irão arbitrar partidas durante a Copa: a japonesa Yoshimi Yamashita, de 36 anos, e a ruandesa Salima Mukasanga, de 34. A brasileira Neuza Back atuará como assistente.

Nas redes sociais, a Fifa comemorou o feito de Stéphanie, que chamou de "história feita".