Start-up Ebanx demite 340 funcionários e entra na lista de 'unicórnios' que decidem cortar custos

A Ebanx, start-up de sistemas de pagamentos, demitiu 340 funcionários nesta terça-feira, equivalente a 20% do quadro de 1700 pessoas da companhia. O caso aumenta a lista de companhias de crescimento que precisaram reduzir custos nos últimos meses.

Cenário difícil: Com o fim da era do 'dinheiro fácil', start-ups apertam as contas

Cristina Junqueira: ‘Ainda somos uma start-up. Sucesso é não mudar nada’, diz diretora-presidente do Nubank no Brasil

Segundo o Ebanx, a decisão foi "tomada com base no atual cenário do mercado de tecnologia, como um todo, impactado de forma profunda e veloz pelo ambiente macroeconômico".

Além da alta de juros no cenário doméstico, que já ocorre desde o ano passado, os bancos centrais de economias desenvolvidas passaram a aumentar as taxas básicas. Na semana passada, o Federal Reserve, Banco Central americano, elevou os juros em 0,75 ponto percentual, maior alta em uma reunião desde 1994.

A alta de juros prejudica o desempenho de empresas que apostam em teses de crescimento futuro, como são os casos das start-ups. Isso porque, essas companhias costumam precisar de mais recursos para investir com o objetivo de obter lucro no longo prazo. Com as taxas mais altas, o financiamento da dívida cresce.

Brex: Conheça a dupla de brasileiros que entrou para a lista de bilionários da Forbes

Além disso, diante do aumento da incerteza nos mercados, os investidores buscam ativos mais seguros. Dessa forma, os fundos de investimento, que financiam muitas start-ups deixam de ser tão atrativos.

Assim, há menos capital para que elas possam manter o crescimento dos anos anteriores.

No início do ano, o Ebanx já havia anunciado que não faria um IPO nos Estados Unidos, como era esperado durante 2021.

Em março a empresa também afirmou que não planejava nenhuma rodada de financiamento para o primeiro semestre.

Fundado em 2012, o Ebanx ficou conhecido por promover soluções que ajuda plataformas estrangeiras a venderem no Brasil com pagamentos em moeda local. A empresa atingiu o status de unicórnio, nome dado para empresas que ultrapassaram mais de US$ 1 bilhão, em 2019.

A empresa processa pagamentos internacionais em 15 países da América Latina.

A crise das start-ups já afetou empresas como o QuintoAndar, Loft, Vtex e Mercado Bitcoin, que enxugaram seu quadro de funcionários nos últimos meses.

Além disso, a mexicana Kavak enxugou trabalhadores de suas operações em São Paulo e no Rio de Janeiro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos