Stefan Löfven assume novamente como primeiro-ministro da Suécia

·1 minuto de leitura
Primeiro-ministro da Suécia, Stefan Lofven, antes de entrevista coletiva, em Estocolmo, em 21 jun. 2021

O renunciante primeiro-ministro sueco, o socialdemocrata Stefan Löfven, assumiu nesta quarta-feira (7) como chefe de governo pelo Parlamento, encerrando a crise política que abalou o país nas últimas três semanas.

Sua candidatura foi aprovada por não ter uma maioria absoluta contra: 173 deputados de 349 votaram contra, abaixo dos 175 necessários para bloquear sua eleição.

Löfven contou com apenas 116 votos a favor, e 60 abstenções, mas este resultado não o impede de retomar o cargo que teve que abandonar em 21 de junho, após uma moção de censura.

O líder socialdemocrata, no poder desde 2014, voltou a confirmar seu caráter de sobrevivente na política sueca, o "gato com nove vidas", como foi apelidado pela imprensa nos últimos dias.

Este cenário foi alcançado depois que o Partido da Esquerda (ex-comunista), na origem desta crise, e o Partido do Centro, crucial na formação de uma maioria, resolveram não votar contra Löfven.

Este resultado evita também a convocação de novas eleições.

A crise começou por causa de um projeto de liberalização dos aluguéis que fez o Partido da Esquerda, até então um apoio ocasional do governo, votar a moção de censura junto à direita e à extrema direita.

O primeiro-ministro, um ex-sindicalista siderúrgico, corre de qualquer forma o risco de enfrentar uma nova crise no outono, quando o Parlamento deve votar o orçamento.

map/nzg/sg/mar-dbh/age/mb/aa

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos