STF abre sessão virtual no recesso para analisar processos após vandalismo em Brasília

***ARQUIVO**** BRASÍLIA, DF,  BRASIL,  07-12-2022 Sessão plenária do STF destinada a julgar a validade do orçamento secreto do Congresso Nacional. A ministra Rosa Weber (FOTO) é a presidente do Supremo Tribunal e a relatora desse caso. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO**** BRASÍLIA, DF, BRASIL, 07-12-2022 Sessão plenária do STF destinada a julgar a validade do orçamento secreto do Congresso Nacional. A ministra Rosa Weber (FOTO) é a presidente do Supremo Tribunal e a relatora desse caso. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Um dia após os atos de vandalismo na praça dos Três Poderes, a presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Rosa Weber, convocou nesta segunda-feira (9) uma sessão virtual extraordinária até o fim do mês para que os 11 ministros julguem eventuais processos de forma colegiada.

O Judiciário está em recesso e só retoma as atividades no dia 1º de fevereiro, mas Rosa decidiu abrir a sessão virtual depois do ataque às sedes do Supremo, do Congresso e ao Palácio do Planalto por bolsonaristas.

Em nota, informou que o objetivo é permitir "julgamentos colegiados que se façam necessários durante o período".

Na sessão virtual, os ministros depositam os seus votos em uma plataforma do STF durante um determinado período.

A sessão extraordinária aberta por Rosa se iniciou às 18h desta segunda e irá até as 23h59 do dia 31 de janeiro. Ainda não há processos pautados para a sessão.

A expectativa de ministros do Supremo é de que sejam tomadas medidas duras contra os responsáveis pelos atos do domingo.

Em nota ainda no domingo, o decano da corte, Gilmar Mendes, disse que houve "uma comunhão de esforços criminosos: alguns executaram, outros tantos financiaram, planejaram, estimularam. Se uns atuaram, muitos outros ajudaram pela omissão".

Já o ministro Alexandre de Moraes afirmou que "serão responsabilizados, assim como os financiadores, instigadores, anteriores e atuais agentes públicos que continuam na ilícita conduta dos atos antidemocráticos".

Na madrugada, ele determinou o afastamento do cargo do governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB).

A própria Rosa divulgou uma nota em que disse que a Suprema Corte "não se deixará intimidar por atos criminosos e de delinquentes infensos ao estado democrático de direito".

"O STF atuará para que os terroristas que participaram desses atos sejam devidamente julgados e exemplarmente punidos. O prédio histórico será reconstruído."