STJ revoga ordem de prisão contra ex-presidente do Paraguai

BRASÍLIA - O ministro Rogério Schietti, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), deu liminar revogando a ordem de prisão preventiva que havia contra o ex-presidente do Paraguai Horacio Cartes. A decisão vale até o julgamento final do habeas corpus que a defesa apresentou na Corte. Cartes foi presidente do Paraguai entre 2013 e 2018 e é ligado a Dario Messer, conhecido como o "doleiro dos doleiros", preso em São Paulo em julho deste ano, após ficar 14 meses foragido como alvo da Operação Câmbio, Desligo.

Leia:Para advogado de Cartes, MP está cometendo 'o maior atropelo contra o Paraguai desde a guerra da Tríplice Aliança'

A prisão foi decretada pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal do Rio de Janeiro, responsável pelos desdobramentos da Lava-Jato no estado. Por estar no Paraguai, ele não chegou a ser preso. Mas a decisão de Bretas poderia levá-lo a ser preso caso viajasse a outro país, em razão da inclusão de seu nome na Difusão Vermelha da Interpol.

A defesa havia recorrido ao Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2), com sede no Rio de Janeiro, sem sucesso. Depois disso, foi ao STJ, onde conseguiu revogar a ordem de prisão.

Cartes foi o principal alvo de operação do Ministério Público Federal (MPF) e da Polícia Federal (PF) deflagrada em 19 de novembro. Ele e Messer são acusados de lavagem de dinheiro pela força-tarefa da Lava-Jato e organização criminosa. De acordo com a investigação, cerca de US$ 20 milhões foram ocultados, sendo grande parte deles (mais de US$ 17 milhões) em um banco nas Bahamas. O restante foi distribuído no Paraguai entre doleiros, casas de câmbio, empresários, políticos e uma advogada.