STJD adia julgamento da confusão entre Sport e Vasco em final de partida na Série B

O julgamento pelo Superior Tribunal da Justiça Desportiva, o STJD, sobre os atos de violência que encerraram o jogo entre Sport e Vasco em outubro, que estava marcado para amanhã, foi adiado por um pedido do procurador-geral do órgão, Ronaldo Piacenti. Ainda não há uma nova data para a decisão, mas já se sabe que o clube será indiciado como parte do processo e não como um terceiro, como constava no processo original.

Ontem, o procurador havia solicitado que o Vasco responda pelo artigo 257 (participar de rixa, conflito ou tumulto durante uma partida) e que o goleiro Halls, reserva, seja julgado por agressão. A pena é de multa para o clube e de suspensão para o atleta.

Entenda o caso

Um episódio de violência foi o destaque do jogo entre Vasco e Sport, pela 35ª rodada da Série B, na Ilha do Retiro. Na ocasião, alguns torcedores do time pernambucano invadiram o gramado, logo após o gol de empate da equipe carioca no minutos finais, e a partida precisou ser encerrada.

O Sport foi denunciado em três artigos do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (205, 211 e 213) e também nos artigos 19 e 20 do Regulamento Geral de Competições da CBF, podendo ser punidos com perdas de mando de campo (de uma a dez partidas), multa (de R$ 100 a R$ 100 mil) e também a perda do ponto obtido no empate por 1 a 1 com o Vasco.

Se o STJD declarar o Vasco vencedor do jogo, o Gigante da Colina, que hoje está com 59 pontos, ganhará mais dois e irá a 61 pontos. Assim, garantiria vaga no G4 da Série B e estaria matematicamente classificado para a elite do futebol brasileiro na próxima temporada. Sem depender do jogo do próximo domingo, diante do Ituano.

O adiamento do processo significa também que o clube de Itu e o Bahia entrarão como interessados no processo, já que o acréscimo ou a retirada de pontos pode alterar a classificação do campeonato, e as duas equipes podem acabar sendo prejudicadas na briga pelo acesso para a Série A.