Subprefeituras recebem doações de cobertores e roupas de frio

·3 minuto de leitura

Rio — A Secretaria Especial de Ação Comunitária do Rio lança nesta segunda-feira a campanha Solidariedade Aquece. A ação tem como objetivo recolher cobertores, agasalhos e quaisquer outras vestimentas de frio para doação a populações de favelas e áreas menos favorecidas da cidade (veja onde doar no fim do texto).

Apesar de o lançamento ainda não ter acontecido oficialmente, há pelo menos 15 dias as subprefeituras já estão realizando a coleta das doações. Com o início antecipado, alguns cariocas já puderam contribuir com a causa, como a publicitária Sheila Pereira, que deixou sua colaboração na Subprefeitura da Zona Sul, no Leblon. A moradora de Botafogo conta que realiza doações constantemente e se animou com a possibilidade de ajudar moradores de regiões ao seu entorno.

— Sempre participei de campanhas de doação por meio de igrejas e ONGs. Desta vez, o que me chamou a atenção foi o fato de o material ser direcionado aos moradores de favelas e comunidades, que passaram a precisar ainda mais nos últimos anos. Fico feliz sabendo que uma das várias comunidades próximas ao meu bairro receberá essas doações — afirma ela.

Para Sheila, é essencial que se dê atenção especial às comunidades. Ela ressalta que os agasalhos doados são apenas uma parte do trabalho a ser feito.

— É através de atos como esse que a gente consegue exercer a cidadania e contribuir de alguma forma pra minimizar os impactos dessa pandemia, que atingiu a segurança alimentar e a geração de renda dos mais vulneráveis — diz, lembrando que dificuldades na esfera governamental contribuem para esta situação. — A distribuição de renda é um dos graves problemas na cidade e no país.

A iniciativa é parte de uma série de campanhas que estão sendo realizadas pela secretaria durante o ano, visando a combater o aumento das desigualdades causadas pela pandemia. Marli Peçanha, secretária de Ação Comunitária, pede a quem tem um casaco em bom estado no guarda-roupa, sem uso, para repassá-lo.

— Não custa. Nossos olhares precisam ser mais humanos, ainda não há um entendimento público de que a ajuda deve ser constante. Ficamos muito gratos com a doação, mas, se é possível auxiliar também na alimentação, por que não o fazer? — indaga. — Não adianta estar quentinho mas sem um prato de comida.

Ela também destaca a necessidade de as doações estarem em bom estado, para que possam ser úteis por um longo período para quem as receber. Segundo ela, não é incomum que trabalhos como esse sejam vistos apenas como uma chance de descartar o que não se quer mais por parte da população.

— Pode parecer absurdo, mas ainda é preciso pedir para que as peças estejam boas. Precisamos ter em mente que outras pessoas as usarão. Pense sempre se você gostaria de receber aquele agasalho — diz.

As doações na Subprefeitura da Zona Sul, no Leblon, podem ser feitas presencialmente de segunda a sexta, das 9h às 17h. As sedes de Barra, Jacarepaguá, Centro, Grande Tijuca, Zona Oeste e Zona Norte também estão fazendo o recolhimento.

Saiba onde doar:

BARRA: Avenida Ayrton Senna, 2.001 - Prédio principal

JACAREPAGUÁ: Estrada do Gabinal, 313, sala 159/160 – Freguesia - Rio Office Mall

ZONA SUL: Av Bartolomeu Mitre, 1297- Leblon

CENTRO: Rua da Constituição, 34

GRANDE TIJUCA: Rua Conde de Bonfim, 764, 2º andar, Tijuca

ILHA: Rua Orcadas, 435, Jardim Carioca

ZONA OESTE: Rua Dom Pedrito, número 1, Campo Grande

ZONA NORTE: Palácio 450 - Rua Carolina Machado,920, Oswaldo Cruz

*Estagiário, sob a supervisão de Milton Calmon Filho

SIGA O GLOBO-BAIRROS NO TWITTER (OGlobo_Bairros)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos