Sucessor de Covas, Ricardo Nunes diz que não mudará gestão em São Paulo

·2 minuto de leitura
Ricardo Nunes (MDB) e Bruno Covas (PSDB) na Câmara Municipal de São Paulo
Ricardo Nunes (MDB) e Bruno Covas (PSDB) na Câmara Municipal de São Paulo
  • Ricardo Nunes, vice de Bruno Covas, assumirá a Prefeitura de São Paulo

  • Bruno Covas, prefeito de São Paulo, morreu aos 41 anos

  • Tucano foi diagnosticado com câncer na cárdia em 2019 e deixa um filho de 15 anos

Ricardo Nunes (MDB), de 53 anos, assumirá a Prefeitura de São Paulo após a morte de Bruno Covas (PSDB), vítima de câncer, na manhã deste domingo (16). Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, o sucessor afirma que sua gestão será de continuidade.

"Continuação da gestão Bruno Covas. Não terá diferença. Temos o nosso plano de metas, o que o Bruno e eu falamos na campanha, vamos continuar as mesmas coisas. Não haverá mudança em nada que o Bruno planejou e definiu. Dizem que vou trocar secretários. É fofoca. Será uma gestão Bruno Covas até 2024. Não existe qualquer outra possibilidade a não ser homenagear o carinho que ele tem pela cidade", declarou o emedebista.

Leia também

Nunes disse que vinha conversando diariamente com Covas durante a semana: "Uma tristeza enorme perder uma pessoa que amava essa cidade. Mesmo com toda a adversidade ele nunca abaixou a cabeça. Ele deixou o exemplo de que as pessoas precisam lutar com confiança e garra. Um exemplo maravilhoso de amor à cidade".

Opositores da gestão apontaram Nunes como um político de direita ou até mesmo bolsonarista. Ele se considere de centro: "Bolsonarista eu nunca escutei. É claro que não sou. Eu sou um defensor da democracia, a minha linha é muito próxima da linha do Bruno. Defesa da democracia de forma absoluta. Não sou de extrema-direita nem de extrema-esquerda. Tanto é que quando o Bruno foi internado, o PT soltou uma nota desejando melhoras ao Bruno e sorte para mim".

No dia 3 de maio, Covas foi transferido para a UTI do Hospital Sírio-Libanês, onde estava internado, após um sangramento no estômago. O prefeito de São Paulo também havia sido diagnosticado com metástase óssea do câncer.

Em 21 de abril, feriado de Tiradentes, Covas apresentou uma piora no quadro de saúde e foi internado no Hospital Sírio Libanês com líquido nos pulmões e no abdômen. Dias depois, recebeu alta e comemorou nas redes sociais.

O prefeito também começou a receber alimentação parenteral (por meio de uma sonda) durante as madrugadas, enquanto dormia, para auxiliar no ganho de peso — a complementação nutricional visava especialmente prepará-lo para o novo tratamento.

Ainda de acordo com a equipe médica, Covas respondia bem ao tratamento, mas permaneceria no hospital, ainda que restrito e sem exposição pública.

No dia 15, a equipe médica do hospital havia localizado novos focos de tumores nos ossos e no fígado do prefeito.