Sudão tem novas manifestações contra militares, sem Internet e telefone

·3 min de leitura
Jovem sudanês carrega bandeira nacional em protesto na capital do país, Cartum (AFP/-)

Milhares de sudaneses voltaram às ruas, nesta quinta-feira (30), para exigir um governo civil nesse país africano controlado pelo Exército, desafiando o gás lacrimogêneo, o corte das comunicações e um bloqueio completo de Cartum.

A cada nova convocação dos simpatizantes do poder civil para se manifestar contra o general Abdel Fattah Al Burhan, que liderou um golpe militar em 25 de outubro, as autoridades põem em prática novas técnicas de dissuasão.

O corte da Internet foi usado durante semanas, após o golpe de Estado, e contêineres bloqueavam as pontes de acesso à capital do país nos protestos do último sábado (25).

Hoje, pela primeira vez, as forças de segurança instalaram câmeras nas principais ruas de Cartum, onde os manifestantes devem se reunir, observaram jornalistas da AFP.

Os militares também cortaram as linhas de telefone pela primeira vez.

Nada disso impediu que milhares de pessoas tomassem as ruas nesta quinta-feira aos gritos de "Não ao poder militar" e "Militares para o quartel!", em Cartum e em outras cidades do país, como Kessala e Porto Sudão, no leste, e Madani, ao sul da capital.

A poucas centenas de metros do palácio presidencial de Cartum, ocupado pelo conselho soberano dirigido pelo general Burhan, as forças de segurança lançavam gás lacrimogêneo contra a multidão.

Na capital, uma manifestante disse à AFP que protesta "pela queda do poder militar" e principalmente "contra o acordo político", um texto que recentemente permitiu ao primeiro-ministro civil Abdalá Hamdok sair da prisão domiciliar e o general Burhane permanecer à frente das autoridades de transição por mais dois anos.

Para outro manifestante em Cartum, os civis nunca deveriam ter aceitado se juntar à união sagrada de 2019. Naquela época, a rua e sua "revolução" obrigaram os generais a destituir um dos seus, o diretor Omar al Bashir. Civis e militares decidiram liderar juntos o país até a democracia.

"Entrar em acordo com os militares foi um erro desde o início", afirma à AFP. Para ele, os generais no poder são "homens de Bashir".

- "Detenções arbitrárias" -

Na quarta-feira (29), a embaixada dos Estados Unidos pediu uma "contenção extrema do uso da força", após a morte de pelo menos 48 manifestantes e das centenas de pessoas feridas em dois meses de protestos contra as autoridades golpistas.

Também pediu aos militares para evitarem as "detenções arbitrárias", depois que os ativistas anunciaram novas operações de busca e apreensão em seus domicílios na noite anterior aos protestos.

Entre bombas de gás lacrimogêneo, tiros com munição real para cima e agressões com pedaços de madeira para dispersar a multidão, 235 pessoas ficaram feridas no sábado na manifestação nacional, segundo um sindicato de médicos pró-democracia.

Em 19 de dezembro, dia do terceiro aniversário da "revolução" que forçou os generais a destituírem um dos seus, o ditador Omar al Bashir, as forças de segurança foram acusadas pela ONU de terem agredido os manifestantes para quebrar um movimento que continua mobilizando dezenas de milhares de sudaneses.

Após tomar o poder pela força, o general Burhan restabeleceu Abdallah Hamdok como primeiro-ministro civil. Foi reintegrado, porém, somente depois de aceitar reconhecer a situação instalada após o golpe, ou seja, a ampliação do mandato de Burhan por dois anos.

Apesar disso, até hoje o Sudão continua sem um governo propriamente dito, condição crucial para a retomada de uma ajuda internacional vital para este país, um dos mais pobres do mundo.

bur/sbh/feb/aoc/mar/me/aa/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos