Sul-coreano cruza fronteira armada em rara deserção para Coreia do Norte

·2 min de leitura

Por Hyonhee Shin

SEUL, 2 Jan (Reuters) - Um cidadão da Coreia do Sul cruzou a fronteira altamente fortificada, em uma rara deserção para a Coreia do Norte, informou o Exército da Coreia do Sul neste domingo.

O Estado-Maior Conjunto (JCS) disse que realizou uma operação de busca após detectar a pessoa por volta das 21h20 (horário loca) de sábado no lado leste da Zona Desmilitarizada que separa as duas Coreias.

"Nós confirmamos que a pessoa cruzou a linha de demarcação militar perto das 22h40 e desertou para o Norte", disse o JCS.

O JCS disse que não poderia confirmar se a pessoa estava viva, mas mandou um aviso à Coreia do Norte por meio de uma linha telefônica militar, pedindo proteção.

O cruzamento de fronteiras, que é ilegal na Coreia do Sul, aconteceu enquanto a Coreia do Norte implanta severas medidas contra o coronavírus desde o fechamento das fronteiras no início de 2020, ainda que não tenha confirmado quaisquer infecções.

Houve um clamor público e político após soldados da Coreia do Norte terem abatido um oficial de pesca da Coreia do Sul que desapareceu no mar em setembro de 2020, incidente que Pyongyang atribuiu às rígidas medidas anticoronavírus e se desculpou.

Dois meses antes, o líder norte-coreano, Kim Jong Un, declarou uma emergência nacional e isolou uma cidade fronteiriça após um desertor norte-coreano, que disse que estava com sintomas de Covid-19, ter cruzado a fronteira ilegalmente do sul para o norte.

Os longos lockdowns e restrições ao movimento entre províncias impostos pela Coreia do Norte também reduziram o número de deserções do Norte para o Sul para uma mínima histórica.

As relações entre os dois países azedaram após negociações entre a Coreia do Norte e os Estados Unidos para a desnuclearização terem emperrado após uma cúpula que fracassou em 2019.

A Coreia do Sul e forças da ONU lideradas pelos EUA ainda estão tecnicamente em guerra com a Coreia do Norte, uma vez que a Guerra da Coreia (1950-1953) acabou em um armistício, em vez de um tratado de paz.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos