Super Bowl: Buccaneers campeões têm volta de aposentadoria por Brady e aposta em acusado de assédio

O Globo
·4 minuto de leitura

A maior atração do Super Bowl, a grande final da temporada do futebol americano, certamente é o sétimo título na carreira do quarterback Tom Brady, aos 43 anos. Mas entre os campeões do Tampa Bay Buccaneers, equipe que levou o astro a seu primeiro título após a saída do New England Patriots, duas histórias se destacam: a "quase aposentadoria" do tight end Rob Gronkowski e um possível resgate da carreira wide receiver Antonio Brown, envolvido em acusações de assédio.

A principal é a de Gronkowski. Um dos principais jogadores da posição, tetracampeão pelos Patriots ao lado de Brady, o jogador sofria com lesões e anunciou, em março de 2019, que se aposentaria dos gramados. Na temporada daquele ano, a equipe de Massachussets, atual campeã, até foi aos playoffs, mas caiu para o Tenesseee Titans.

Quando o quarterback anunciou que deixaria os Patriots, um ano depois da aposentadoria de Gronk, o tight end não pensou duas vezes antes de rever a decisão e retomar a carreira e voltar a jogar com o ex-colega. Um mês depois da ida de Brady a Tampa, os Patriots já finalizavam a troca de Rob, ainda sob contrato, com os Bucs.

O retorno da parceria foi extremamente frutífero, em especial neste Super Bowl. O touchdown do primeiro quarto foi o 13º da dupla só em playoffs, ultrapassandos os icônicos Joe Montana e Jerry Rice. Gronk, inclusive, aproximou-se de Rice, recordista em número de recepções de passe para touchdown na história do Super Bowl. Com os dois da noite de domingo, chegou a cinco, três atrás do lendário wide receiver que marcou época pelo San Fracisco 49ers.

— Eu me lembro que depois daquela vitória, estava acabado. Saindo do campo, estava aliviado de que tinha terminado. Doía, era bom ser campeão, mas era ótimo ter terminado — contou, em entrevista coletiva, sobre sua última partida, a vitória dos Patriots por 13 a 3 sobre o Los Angeles Rams no Super Bowl LIII, em 2019. O ano de "aposentadoria" serviu, também, para cuidar da parte física, segundo ele:

— Me aposentei da aposentadoria. Que jornada, que história foi essa. Que início e fins de jornada foram esses.

Aos 31 anos, longe do seu auge físico, mas menos atormentado pelas lesões, Gronkowski temina a temporada com números próximos às temporadas medianas de sua carreira: foram 623 jardas e 45 recepções na temporada regular. Nos playoffs, foram 110 jardas e oito recepções em quatro partidas. Live para negociar, o jogador sinalizou que pretende ficarr em Tampa.

— O pessoal daqui, os jogadores, os treinadores a equipe, todos são grandes pessoas. Eu amei trabalhar com eles, então certamente vou levar isso em consideração para definir onde estarei nas próximas semanas. Mas nao vejo por que não permanecer — disse.

But I definitely see myself coming back (to Tampa). The guys around here, the players around here, the coaches, the people in the front office, they’re all just great people. I’ve loved working with them, so I’m obviously going to soak this in and see where I’m at in a couple of weeks, but I don’t see why not, I don’t see why I won’t be back.

Antonio Brown ganha "última chance"

Se pelo lado de Gronk, o título foi o prosseguimento de uma carreira promissora, um outro personagem tinha nesse Super Bowl a esperança de revitalizar uma trajetória abalada por denúncias de assédio sexual, dispensas e polêmicas. O wide receiver Antonio Brown ganhou dos Bucs a chance de tentar revitalizar a carreira, ao menos dentro de campo.

Revelado como grande estrela no Pittsburgh Steelers, o jogador aliou talento a uma personalidade explosiva fora de campo e nas redes sociais. A primeira polêmica veio num suposto desentendimento com o quarterback da equipe, Ben Roethlisberger, o Big Ben. Trocado para o Oakland Raiders, acabou dispensado sem entrar em campo após confusão com o gerente Mike Mayock.

Em 2019, ganhou chance nos Patriots e a afeição de Tom Brady, em seu último ano na equipe. A passagem por Massachussets não durou muito, após surgirem acusações de assédio por parte de uma artista e um processo por estupro vindo de uma ex-treinadora, Britney Taylor. Brown negou as acusações, mas acabou dispensado da equipe. O processo segue correndo na justiça americana.

O wide receiver chegou a anunciar aposentadoria ainda na época da dispensa, mas mudou de ideia. Em julho de 2020, mesmo sem clube, foi suspenso por oito jogos por violar as condutas de vida pessoal da NFL.

A última chance viria três meses depois, sob aprovação de Brady. O quarterback o acolheu em sua casa, e após cumprir sua suspensão, Brown enfim voltou a atuar com regularidade na liga. Mais contido em sua vida pessoal, o jogador de 31 anos terminou a temporada regular com oito partidas disputadas, 483 jardas percorridas e 45 recepções. Nos playoffs, foram três partidas, incluindo o touchdown no Super Bowl, logo antes do intervalo.

— Estaria fazendo um desserviço se falasse sobre coisas que não são o foco da partida — limitou-se a dizer sobre o assunto, em entrevista coletiva antes da partida.