Super Crown: Pâmela Rosa se inspira no São Paulo para ser tricampeã mundial: 'Incentivo a mais'

Finalista do Super Crown Championship, a decisão da Liga Mundial de Skate Street, Pâmela Rosa nunca escondeu a sua paixão pelo São Paulo. Curiosamente, o clube de coração irá servir de inspiração para quando entrar na pista, neste domingo. A paulista de 23 anos tem a chance de ser tricampeã mundial — a primeira entre as mulheres — assim como o tricolor. Ela não esconde a ansiedade. A final feminina acontece às 10h30 (de Brasília).

— Acho que isso é um incentivo a mais, né? Tenho muitas pessoas ao meu redor que são campeãs mundiais. O São Paulo, a Rafaela Silva, a Ana Marcela... O São Paulo é tri (risos). Então isso me puxa ainda mais, sabe? Graças a Deus fui bicampeã mundial por conta do meu time. Agora é só andar de skate e me divertir — afirma a atleta.

Das três etapas que você venceu na SLS, duas foram no Super Crown, que a tornaram campeã mundial. Você se considera uma skatista que cresce nos momentos decisivos?

Sim, eu me considero porque sou uma pessoa que se dá bem dos dois lados [linha e manobra]. Nas últimas, ganhei nas últimas manobras, o que torna ainda melhor, né? Aqui eu tenho certeza que vai ter uma pressão enorme da torcida e eu me sinto muito bem, me sinto em casa. Só espero que não seja desse jeito né [vencendo nas últimas manobras]. Espero que eu possa ir escalando de escadinha a escadinha para ter um resultado bom.

Como você está fisicamente?

Não estou 100%. Machuquei meu joelho em Las Vegas. Mas posso dizer que até domingo vou estar melhor.

Acredita que o apoio da torcida pode favorecer os brasileiros positivamente?

Acho que um pouco, mas não 100%. Os vídeos estão sempre ali, eles estão nas competições sempre com a gente. Então, eles sabem a nota que eles têm que dar. Meu trabalho é acertar, focar nas manobras novas e os juízes sabem o que fazem.

O que mudou da Pâmela que venceu em São Paulo para a de agora?

Acho que ela evoluiu, aprendeu a lidar mais ainda com a pressão, aprendeu manobras novas e se sente mais confortável dentro da pista.

Vocês já se considera uma ídolo nacional?

Acho que sim, porque são muitas crianças que se inspiram em mim, muitas crianças que querem ser igual a mim e outras skatistas. Então a gente só quer incentivar ainda mais.