Super-ricos aumentaram em 46 mil em 2021, afirma Credit Suisse

Lista de super-ricos cresceu em 2021, apontou Credit Suisse
Lista de super-ricos cresceu em 2021, apontou Credit Suisse
  • Categoria é utilizada para aqueles que tem uma fortuna estimada em mais de US$ 50 milhões;

  • Relatório foi feito pelo Credit Suisse, um dos maiores bancos de investimentos do mundo;

  • Brasil aparece na lista de milionários com 266 nomes.

No ano passado o mundo ganhou 46 mil novos super-ricos, apontou um novo relatório do banco Credit Suisse. A categoria é utilizada para designar aqueles que têm uma fortuna estimada em mais de US$ 50 milhões, ou R$ 258 milhões na conversão atual.

Divulgado nesta terça-feira (20), o documento aponta que ao todo 264.200 finalizaram o ano de 2021 com uma fortuna desse tamanho. No entanto, deste total, alguns são bem mais ricos do que outros. Aqueles que possuem uma fortuna maior de US$ 100 milhões, ou R$ 516 milhões, contabilizam 84.790 pessoas, enquanto apenas 7.070 indivíduos detém uma fortuna maior de US$ 500 milhões, ou R$ 2,5 bilhões.

O relatório também analisou de onde são esses novos super-ricos. Os Estados Unidos lidera com o maior número de pessoas que entraram nessa categoria de riqueza, com 30.470 mil, ou dois terços do total. A China aparece na segunda posição, com 5,2 mil novos super-ricos. Em terceiro, quarto e quinto lugar aparecem a Alemanhã, Canadá e Austrália, respectivamente.

O Brasil aparece em outra parte no estudo, que detalha o número de pessoas no mundo com mais de US$ 1 milhão. Segundo o Credit Suisse, a lista de milionários cresceu em 5,2 milhões em 2021, atingindo o número de 62,5 milhões de pessoas. Destes, apenas 266 são brasileiros.

Os dados do Credit Suisse reforçam a concentração de renda mundial na mão de poucos. O 1% dos mais ricos possuíam, no final de 2021, cerca de 45,6% de toda riqueza mundial. Esse número é maior do que aquele registrado em 2019, que era de 43,9%. Ou seja, houve um movimento de concentração de renda nesses anos.