Superpedido de impeachment contra Bolsonaro será protocolado na quarta (30) com ato em Brasília

·3 minuto de leitura
***ARQUIVO***ANÁPOLIS, GO, 09.06.2021 - O presidente Jair Bolsonaro cumprimenta apoiadores ao sair de evento evangélico em Anápolis, em Goiânia. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***ANÁPOLIS, GO, 09.06.2021 - O presidente Jair Bolsonaro cumprimenta apoiadores ao sair de evento evangélico em Anápolis, em Goiânia. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Líderes de partidos, de movimentos sociais e deputados decidiram em reunião nesta quinta-feira (24) que apresentarão na quarta-feira (30) o chamado superpedido de impeachment contra Jair Bolsonaro, que reúne mais de 100 pedidos feitos por siglas e grupos de oposição e parlamentares que se arrependeram de ter apoiado o presidente, como Joice Hasselmann (PSL-SP) e Alexandre Frota (PSDB-SP).

Presidentes de PSOL, PT, PC do B, PDT, PSB, Rede, UP, PV e Cidadania têm liderado as discussões. A expectativa é a de que por se tratar de iniciativa supraideológica o pedido tenda a ganhar força e elevar a pressão para que o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), analise as acusações.

A entrega dos pedidos contará também com um ato na Câmara dos Deputados, em Brasília, programado para as 14h30, com a presença de entidades que fazem parte da mobilização pelo superpedido, como UNE (União Nacional dos Estudantes) e MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra), além de parlamentares.

"Vamos presencialmente. Ainda que o sistema seja remoto, todas as entidades e partidos queremos que o ato seja de unidade nacional. É preciso que a voz das ruas ecoe no parlamento. Não é possível que o presidente Arthur Lira (PP-AL) silencie frente a essa voz das ruas que se avoluma. A crise se amplia, as denúncias se agravam, e o Congresso não pode ficar surdo. Os fatos da semana falam por si sós", diz o deputado José Guimarães (PT-CE).

Para os envolvidos, o ato e a entrega do pedido vão dar início a um período decisivo de mobilização contra Bolsonaro. A campanha Fora, Bolsonaro, que encabeça os protestos nacionais contra o presidente, marcou para 24 de julho as próximas manifestações.

"Esse novo pedido é muito importante, primeiro porque vem com a força e mobilização permanente das ruas contra Bolsonaro, e também porque agora reúne todos pedidos anteriores, de movimentos sociais e partidos, e deverá reforçar ainda mais os próximos protestos", diz Iago Montalvão, presidente da UNE.

"Deixa mais pesada a artiharia contra o governo em um momento de desesperança e de letargia de maior parte da sociedade", diz o deputado Kim Kataguiri (DEM-SP).

"Robustece o único pedido de impeachment, ainda mais agora com denúncias da Covaxin. Cada dia surge uma coisa nova, algum filho do presidente sendo investigado ou alguma vacina que ele se recusou a comprar, algum email que ele ignorou e que mostra que a gente podia ter iniciado nossa imunização em dezembro. Com essas novidades aparecendo acho importante manter a chama do impeachment acesa para criar momento para acolhimento do pedido", completa o líder do MBL (Movimento Brasil Livre). Ele diz que não poderá participar presencialmente do ato na quarta-feira (30).

Como mostrou o jornal Folha de S.Paulo, o superpedido deverá apontar mais de 20 tipos de crimes contra a lei de responsabilidade.​

Para Fernanda Melchionna (RS), deputada do PSOL, autora de um dos primeiros pedidos de impeachment contra Bolsonaro, o superpedido mostra unidade de ação entre forças distintas e fortalece as mobilizações nas ruas —e também ganha força com elas.

"Nenhum governo cai de podre, é preciso derrotá-lo. O novo calendário de mobilizações é fundamental para que ande a luta política para derrotar o Bolsonaro", afirma.

Sobre as investigações a respeito de indícios de irregularidades no acordo de compra de doses da vacina indiana Covaxin pelo governo federal, Melchionna afirma que nada impede que um novo pedido relativo ao caso seja adendado posteriormente, mas que o grupo preferiu consolidar o superpedido com o material que já havia sido debatido e estava mais maduro para agilizar a mobilização.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos