Supervulcão adormecido nos Estados Unidos pode entrar em erupção mais cedo do que imaginávamos

Enxame sísmico no supervulcão Yellowstone já é o mais longo já registrado.

O supervulcão Yellowstone, nos Estados Unidos, pode entrar em erupção de forma terrivelmente poderosa, expelindo mais de 1.000 quilômetros cúbicos de rochas vulcânicas e cinzas de uma vez.

A erupção pode cobrir de cinzas áreas significativas dos Estados Unidos, e tem potencial para mergulhar a Terra num “inverno vulcânico”.

A última grande erupção do Yellowstone aconteceu há 631 mil anos. Até agora, os cientistas acreditavam que a “acumulação” destas erupções levava milhares de anos.

No entanto, pesquisadores da Universidade do Estado do Arizona, que analisaram rochas em Yellowstone, afirmam que o processo pode demorar apenas décadas.

O supervulcão Yellowstone pode mudar a vida em nosso planeta por séculos. Felizmente, a NASA tem um plano para lidar com esta enorme área geotermal e prevenir uma potencial catástrofe.

A NASA afirmou que as erupções do supervulcão são mais ameaçadoras para a Terra do que qualquer asteroide.

A aluna de pós-graduação, Hannah Shamloo disse: “É impressionante como é curto o tempo necessário para que um sistema vulcânico adormecido, possa entrar em erupção”.

“Nós esperávamos que os processos pudessem levar milhares de anos até a erupção,” disse Christy Tillat, da Universidade do Estado do Arizona, em uma entrevista para o New York Times.

De acordo com os pesquisadores, as chances de um supervulcão entrar em erupção em um futuro próximo ainda são muito pequenas – mas as forças que controlam estes eventos tão raros podem se mover mais rapidamente do que imaginávamos.

Rob Waugh