Suporte de ar-condicionado sem manutenção, um risco ignorado

Larissa Medeiros
·2 minuto de leitura

RIO — Imagine andar pela calçada e presenciar um condensador de ar-condicionado cair do alto de um prédio bem na sua frente. O geógrafo Ricardo Lafayette, morador de Copacabana, testemunhou uma dessas quedas enquanto caminhava pelo Centro. Apesar de ter sido apenas uma vez, ele conta que o problema de manutenção dos suportes de condensadores já fez estragos parecidos em bairros da Zona Sul. O risco é visível em diversos edifícios da região, principalmente por causa da maresia, que corrói mais rapidamenteo o material. Mesmo assim, o cuidado com os suportes de condensadores não parece fazer parte da rotina de boa parte dos proprietários de apartamentos.

Segundo o presidente do Departamento Nacional de Manutenção e Instalação da Associação Brasileira de Refrigeração, Ar-Condicionado, Ventilação e Aquecimento (Abrava), José Carlos Kelvin, a responsabilidade de fiscalização é do morador.

— Na maioria dos casos, o aparelho cai não só por falha no suporte, mas por falta de manutenção preventiva mensal e observação do desgaste, seja do material de fixação ou do ponto de apoio onde ele foi fixado. O ideal é que o condomínio tenha um guia de instalação de aparelhos de ar-condicionado com todos os procedimentos — orienta.

Kelvin explica ainda que o morador também deve apresentar ao síndico documentos assinados por um engenheiro para a instalação.

A engenheira mecânica Ana Carolina Rodrigues, representante da Frigerar — Técnicas em Refrigeração e Ar-Condicionado, que atende na Zona Sul, diz que o erro do comprador é buscar o menor preço, que não é sinônimo de qualidade.

— Para áreas de até 40 quilômetros da costa, o recomendado é um suporte feito de aço inoxidável ou aço galvanizado. E, a qualquer sinal de deformação ou corrosão, é necessário trocá-lo — explica ela.

Segundo a Secretaria de Governo e Integridade Pública (Segovi), que atende às denúncias no 1746, nenhum registro de “verificação de instalações de ar- condicionado” e “vistoria em ameaça de desabamento de estrutura” foi feito por moradores da área até hoje.

Lafayette conta que já tentou articular até um pedido de fiscalização da instalação de condensadores em fachadas de prédios com os próprios proprietários, mas teve pouco apoio.

— A maioria não dá a atenção que merece. Basta andar por uma rua de Copacabana e você encontra dezenas deles. É um problema exposto, para o qual ninguém atenta— observa.

SIGA O GLOBO-BAIRROS NO TWITTER (OGlobo_Bairros)