Suprema Corte permite contagem de votos que chegarem depois da eleição na Pensilvânia e na Carolina do Norte

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em duas decisões consideradas favoráveis ao partido de Joe Biden, candidato democrata à Presidência dos EUA, a Suprema Corte decidiu, nesta quarta-feira (28), que cédulas de voto enviadas por correio na Pensilvânia e na Carolina do Norte poderão ser contabilizadas mesmo que cheguem dias depois da eleição, marcada para a próxima terça (3). No caso da Pensilvânia, o tribunal já havia decidido anteriormente aceitar a entrega das cédulas até 6 de novembro, mas membros do partido do atual presidente, Donald Trump, pediram que a votação fosse refeita, contando com o apoio presumido da juíza ultraconservadora Amy Coney Barrett, indicada por Trump e recém-empossada. Segundo uma porta-voz do tribunal, entretanto, Barrett não participou da decisão "devido à necessidade de uma resolução imediata e porque ela não teve tempo de revisar completamente os arquivos das partes". Na Carolina do Norte, a Suprema Corte atendeu um pedido das autoridades eleitorais do estado e estendeu o prazo de recebimento dos votos até 12 de novembro, desde que as cédulas tenham sido postadas no correio até o dia da eleição. Pensilvânia e Carolina do Norte são considerados estados-pêndulo, que ora votam em democratas, ora votam em republicanos e, por isso, são decisivos no processo eleitoral. De acordo com a média das pesquisas eleitorais compiladas pelo site especializado FiveThirtyEight, Biden lidera na Pensilvânia, com 50,1% das intenções de voto contra 44,8% a favor de Trump. Na Carolina do Norte, a disputa é mais apertada, mas o democrata permanece na frente, com 49,1% contra 46,9% para o republicano. Devido, principalmente, à pandemia de coronavírus, eleitores americanos bateram recordes de votação antecipada neste ano —são mais de 77 milhões de votos nessa modalidade até esta quinta (29), de acordo com dados do U.S. Elections Project. Enquanto Trump tem mantido um discurso contrário às evidências que coloca em suspeição a legitimidade dos votos pelo correio, as estatísticas apontam que os votos antecipados tendem a favorecer Biden. O levantamento do U.S. Elections Project feito nos 20 estados que exigem registro partidário na hora do voto indica que 47,2% dos eleitores que optaram por votar antes do dia 3 se identificaram como democratas. Os republicanos foram 29,5% e os sem partido, 22,7%.