Supremo Tribunal Federal reforça segurança de Fachin, relator da Lava Jato

Fátima Meira/Futura Press

O Supremo Tribunal Federal (STF) reforçou o número de seguranças no Paraná, onde mora o relator da Lava Jato, ministro Edson Fachin. Depois que ele relatou publicamente ameaças sofridas por sua família, a Corte ampliou para sete a quantidade de seguranças à disposição do ministro. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Segundo a reportagem, o contrato da empresa que faz a segurança de Fachin vence no fim de junho e um novo pregão será realizado na sexta-feira para fornecer guarda-costas pelos próximos 30 meses ao custo estimado de R$ 1,6 milhão.

Além de monitorarem a residência e arredores, fazendo rondas de surpresa, os seguranças acompanham em escolta o ministro e seus e familiares em deslocamentos e eventos externos.

Fachin afirmou em entrevista à Globonews que seus familiares receberam ameaças, embora não tenha detalhado as circunstâncias. Segundo o “Estadão”, a maior preocupação dele era com a ausência de segurança da esposa, a desembargadora Rosana Amara Girardi Fachin, do Tribunal de Justiça do Paraná. O casal tem duas filhas e dois netos.