Surpresa, desconfiança e comparações com o PT: as reações no Conselho aos indicados pelo governo para a Petrobras

Integrantes do alto escalão da Petrobras olharam com desconfiança a lista de indicados pelo governo ao Conselho de Administração da estatal. Classificaram como “jogada” o Ministério de Minas e Energia ter indicado dez nomes para oito vagas a que tem direito.

Eletrobras: Quem usou recursos do FGTS para comprar ações ficou com 67% do que reservou

Pré-sal: O que está em jogo na proposta do governo de acabar com partilha na produção de petróleo

Pressão: Conselho pressiona por renúncia de presidente da Petrobras: ‘Só depende de você’

Da lista enviada pelo governo como indicados da União, causou “surpresa” no mercado a indicação dos nomes de Marcelo Gasparino e José João Abdala Filho, que haviam sido eleitos justamente pelos acionistas minoritários donos de papéis ordinários (ON, com direito a voto) em março deste ano.

A Indicação dos minoritários na lista do governo foi visto como uma “incógnita”. Uma outra fonte lembrou que a lista do governo causou surpresa até mesmo entre um dos indicados, já que dois desses dez nomes vão ficar de fora.

- Por que este jogo? - questionou uma das fontes.

Os minoritários também se movimentam. Articulam pedir o uso do sistema de voto múltiplo na próxima assembleia de acionistas e, com isso, indicar outros nomes para o Conselho de Administração.

Nem um real: Guedes 'enterra' reajuste e diz que governo 'não conseguiu dar aumento' a servidores

Portugal: Por que está mais fácil obter a cidadania portuguesa? Ouça no podcast

Assim, na prática, a depender do resultado, o governo pode novamente continuar com seis das onze vagas, como é hoje.

Alta escalão desconhece nomes

Parte do alto escalão não conhece os novos nomes indicados pelo governo, mas já fazem certa relação com o período da gestão do PT, quando os próprios ministros faziam parte do Conselho. Classificaram as novas indicações como “pessoas do governo”.

Nessa nova versão da lista, estão os seguintes nomes:

Gileno Gurjão Barreto, atual presidente do Serpro, estatal responsável pelo processamento de dados do governo, para a presidência do Conselho;

Ricardo Soriano de Alencar, procurador-geral da Fazenda Nacional;

Jonathas Assunção Salvador Nery de Castro, secretário-executivo da Casa Civil da Presidência da República;

Iêda Cagni, presidente do Conselho do Banco do Brasil;

Edison Antonio Costa Britto Garcia, presidente do Conselho de Administração do Banco de Brasília;

Caio Mario Paes de Andrade; presidente da Petrobras

Marcelo Gasparino, que já está no Conselho como representante dos minoritários;

José João Abdala Filho, que já está no Conselho como representante dos minoritários

Ruy Flask, presidente do Conselho da Eletrobras e que já está no Conselho da Petrobras;

Márcio Weber, atual presidente do Conselho da Petrobras

Os dois últimos já haviam sido indicados pela União para o Conselho da Petrobras. Parte dos nomes foi antecipada pelo colunista Lauro Jardim.

Uma outra fonte lembrou que a documentação de todos esses indicados ainda será enviada para a Petrobras. Só após a análise do Comitê de Pessoas é que o Conselho de Administração vai se reunir para marcar uma assembleia dos acionistas, o que deve ocorrer no fim de julho ou início de agosto.

O governo decidiu enviar a lista após ter certeza que José Mauro Coelho não iria ceder a pressões e pedir a renúncia ao cargo, após reunião do Conselho na última quarta-feira. Demitido 40 dias após assumir a presidência, ele continua no cargo

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos