Surto de doença de pele atinge 692 presos no complexo da Papuda, no DF

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Um surto de doença de pele foi identificado no Complexo Penitenciário da Papuda, no Distrito Federal, atingindo 692 detentos. Segundo a Secretaria de Segurança Pública, o problema foi detectado no final de junho e já está controlado.

A contaminação, identificada como escabiose (sarna causada por ácaros de pombo) e impetigo (infecção cutânea que atinge principalmente crianças), foi constatada pelo Ministério Público em 20 de junho no CDP (Centro de Detenção Provisória) e na PDF 1 (Penitenciária do Distrito Federal 1). Ao todo, há cinco presídio no complexo.

Com isso, os presos afetados —172 do CDP e 520 da PDF 1— foram medicados e orientados sobre higienização pessoal. A secretaria, no entanto, não descarta que alguns familiares também tenham sido contaminados já que as doenças são contagiosas. Mutirões estão sendo feitos para detectar se há novos casos.

"Não há motivos suspender as visitas aos detentos e o fato de um grupo de internos estar com doença de pele não significa que os estabelecimentos prisionais estão passando por um quadro de epidemia", afirmou nota da Secretaria de Segurança Pública.

Atualmente, o CDP, que tem 1.646 vagas, abriga 3.550 internos, e a PDF 1, que conta com 1.584 vagas, tem 3.851 detentos.