Suspeita de crimes nazistas de 96 anos é detida após não comparecer a julgamento

·2 minuto de leitura
Tribunal aguarda chegada de suspeita de crimes nazistas de 96 anos para julgamento em Itzehoe, na Alemanha

BERLIM (Reuters) - Uma idosa alemã de 96 anos foi detida horas depois de não comparecer a seu julgamento nesta quinta-feira sob a acusação de ajudar e encorajar o assassinato em massa em um campo de concentração nazista durante a Segunda Guerra Mundial, disse uma porta-voz do tribunal.

Irmgard Furchner é acusada de ter contribuído aos 18 anos para o assassinato de 11.412 pessoas quando era digitadora no campo de concentração de Stutthof entre os anos de 1943 e 1945.

Mas seu julgamento na cidade de Itzehoe, no extremo norte do país, não pôde começar em sua ausência.

"A ré deixou sua casa nas primeiras horas desta manhã e pegou um táxi para um local desconhecido", disse a porta-voz do tribunal Frederike Milhoffer.

A porta-voz informou que foi emitido um mandado de prisão. Itzehoe fica a cerca de 100 km da fronteira com a Dinamarca.

Mais tarde, Milhoffer confirmou que Furchner havia sido detida e que um médico estava avaliando se sua saúde permitiria a ela ser presa.

A próxima audiência foi marcada para 19 de outubro, disse ela.

Furchner é a mais recente de uma série de nonagenários a ser acusada de crimes do Holocausto, no que é visto como uma corrida dos promotores para aproveitar a oportunidade final de decretar justiça para as vítimas de alguns dos piores assassinatos em massa da história.

Embora os promotores tenham condenado os principais perpetradores --aqueles que emitiram ordens ou puxaram os gatilhos-- nos Julgamentos de Auschwitz Frankfurt dos anos 1960, a prática até os anos 2000 era deixar os suspeitos de baixo escalão em paz.

De acordo com a revista alemã Der Spiegel, Furchner transcreveu ordens de execução ditadas a ela pelo comandante do campo de Stutthof, Paul-Werner Hoppe, que foi condenado como cúmplice de assassinatos em 1955. A revista noticiou que Furchner havia escrito ao juiz pedindo para ser julgada à revelia -- uma impossibilidade legal na Alemanha.

Cerca de 65 mil pessoas morreram no campo de concentração de Stutthof, perto de Gdansk, na atual Polônia, entre 1939 e 1945, de fome e doenças ou nas câmaras de gás, incluindo prisioneiros de guerra e judeus apanhados na guerra de extermínio nazista.

(Por Thomas Escritt)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos