Suspeito é morto após avançar com o carro contra policiais do Congresso dos EUA, em Washington

·3 minuto de leitura

WASHINGTON — Um policial morreu e outro ficou ferido depois que um homem avançou com o carro sobre eles em frente ao Congresso dos Estados Unidos, em Washington. O motorista do veículo foi morto após ser baleado por outros agentes no local. O homem, que tinha uma faca, chegou a ser detido e levado para o hospital, mas não resistiu aos ferimentos. De acordo com o Departamento de Polícia do Capitólio, os dois agentes também foram levados para o hospital.

De acordo com a CNN, um dos policiais feridos também foi esfaqueado. O canal americano credita a informação a um oficial das forças de segurança. A Guarda Nacional do Distrito de Columbia foi acionada.

— Não parece estar relacionado a terrorismo. Mas, obviamente, continuaremos investigando para ver se há algum tipo de ligação nesse sentido — disse o chefe interino do Departamento de Polícia Metropolitana de Washington, Robert J. Contee, em entrevista coletiva.

Segundo a Polícia do Capitólio, o motorista deixou o carro segurando uma faca e avançou contra os agentes. No entanto, a corporação informou que o caso não parece ser um ato de terrorismo. O suspeito também não tinha ficha na polícia do Congresso, nem era conhecido por parlamentares.

— Claramente era alguém que estava tentando ativamente atingir quem quer que seja ou o que quer que seja. Nós simplesmente não sabemos agora, então temos a responsabilidade de investigar para chegar ao fundo disso. Se o ataque foi contra a polícia, ou quem quer que seja, temos a responsabilidade de chegar ao fundo disso e faremos isso — disse Contee.

O suspeito foi identificado como Noah Green, de 25 anos. Ele era do estado de Indiana, segundo o jornal New York Times. A Polícia do Capitólio informou que o agente morto é William Billy Evans, um veterano que estava há 18 anos na corporação.

O presidente americano, Joe Biden, divulgou um comunicado dando suas condolências à família de Green. Ele também fez uma menção aos tempos difíceis que o Capitólio vive desde sua invasão, em janeiro.

"Nós sabemos o quão difícil este tem sido para o Capitol, todos que trabalham lá e aqueles que o protegem", disse Biden, que afirmou acompanhar as investigações de perto: "Tenho recebido instruções contínuas de meu conselheiro de Segurança Interna e receberei mais atualizações à medida que a investigação prossegue".

Biden pediu para que as bandeiras da Casa Branca fossem postas a meio mastro em homenagem ao policial morto. O mesmo foi feita pela deputada democrata e presidente da Câmara, Nancy Pelosi, que chamou Green de herói.

Devido ao incidente, ruas ao redor do Capitólio e prédios de escritórios foram interditados e ocupados por policiais. Dezenas de viaturas correram em direção ao prédio do Congresso após receberem os relatos de que o motorista tentava avançar contra os agentes.

Um helicóptero chegou a pousar ao lado do prédio do Congresso americano, e as pessoas que estavam no local receberam ordem para deixar a área. Ainda não há informação se o atropelamento foi premeditado.

O incidente acontece após o cordão de segurança ao redor do complexo do Capitólio começar a ser removido. A barreira havia sido colocada no local após apoiadores do ex-presidente Donald Trump invadirem o prédio, em 6 de janeiro, com a intenção de interromper a sessão conjunta do Congresso que ratificava a vitória de Joe Biden na eleição presidencial.ado