Suspeito de assassinato do presidente do Haiti morre de complicações do coronavírus

·1 min de leitura
Pessoa segura foto do presidente assassinado do Haiti Jovenel Moise durante seu funeral em Cap-Haitien

(Reuters) - Um suspeito do assassinato do presidente do Haiti, Jovenel Moise, em julho morreu quando estava sendo transferido a um hospital para uma detenção pré-julgamento depois de manifestar sintomas de coronavírus, disse sua esposa na quarta-feira.

Gilbert Dragon, ex-comissário de polícia de 52 anos, morreu de parada cardíaca, disse Marie Leslie Noel, acrescentando que passou duas semanas tentando fazer com que ele fosse levado a um hospital e que teve dificuldade para fazer com que realizassem um exame de Covid-19 a tempo.

"Finalmente consegui a autorização para levá-lo ao hospital hoje à tarde, e ele morreu no caminho", contou Noel. "Eu vinha lutando para tirá-lo há duas semanas."

O ministro do Interior, Liszt Quitel, não respondeu a um pedido de comentário.

Em agosto, a Polícia Nacional Haitiana disse em um relatório que Dragon esteve em contato com outros suspeitos na noite do assassinato de Moise, em 7 de julho, e que participou de reuniões para planejar o crime.

Noel disse que o marido foi aprisionado injustamente e que estava em casa dormindo na noite em que o crime ocorreu. Ela ainda disse que Dragon foi falar com os investigadores por vontade própria depois de saber que a polícia estava procurando por ele.

"Eu estava muito impaciente pelo julgamento porque queria ver a prova que eles tinham", disse.

O Haiti já fez mais de três dúzias de prisões, inclusive de um grupo de ex-militares colombianos, ligadas ao inquérito sobre o assassinato de Moise.

(Por Brian Ellsworth e Gessika Thomas)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos