Suspeito de atropelar e matar ciclista em SP ainda não foi encontrado pela polícia

ALFREDO HENRIQUE
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A polícia ainda tenta identificar o motorista que guiava o Hyundai Tucson que atropelou e matou a ciclista Marina Kohler Harkot, 28 anos, na madrugada deste domingo (8), quando a vítima pedalava pela avenida Paulo 6º, em Pinheiros (zona oeste da capital paulista). O proprietário do veículo, com placas de Campinas (93 km de SP), afirmou à polícia ainda no domingo que vendeu o carro, em 2017, e que levaria o documento de transferência à delegacia. Até a publicação desta reportagem, no entanto, a polícia não havia confirmado a entrega da papelada ao 14º DP (Pinheiros), onde o caso foi registrado como homicídio culposo (sem intenção) e fuga do local de acidente. "Policiais da unidade realizam diligências em busca de imagens, testemunhas e demais elementos que auxiliem na identificação e localização do condutor do veículo", diz trecho de nota enviada nesta segunda-feira (9) pela SSP (Secretaria da Segurança Pública), gestão João Doria (PSDB). Segundo a polícia, Marina morreu após ser atropelada enquanto pedalava em um trecho da avenida Paulo 6º. O motorista fugiu do local sem prestar socorro. Uma policial militar de folga estava pelo local e viu o atropelamento. Ela conseguiu anotar a placa do carro e prestou os primeiros atendimentos à vítima. Chamado, o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) socorreu a ciclista, que morreu ainda no local. A velocidade máxima da via é de 50 km/h, com quatro faixas. Segundo a SSP, a vítima estava na última.