Suspeito de matar a namorada em Brasília é encontrado morto em SP

·1 minuto de leitura
Valdemar era o principal suspeito pela morte da namorada, Karla - Foto: Arquivo Pessoal
Valdemar era o principal suspeito pela morte da namorada, Karla - Foto: Arquivo Pessoal
  • Valdemar foi encontrado morto em um hotel de São Paulo nesta segunda-feira

  • Ele era o principal suspeito de matar a namorada, Karla Pucci, no último sábado em Brasília

  • Segundo a polícia, o homem suicidou-se no estabelecimento que pertence à sua família

Suspeito de matar a própria namorada em Brasília, Valdemar Medeiros Sobreira, de 46 anos, foi encontrado morto nesta segunda-feira em um hotel de São Paulo. A informação foi divulgada pela Polícia Civil do Distrito Federal ao G1.

Leia também

Valdemar era procurado desde o último domingo, quando o corpo de Karla Pucci, de 48 anos, foi encontrado pelo próprio filho na funerária em que ambos trabalhavam. De acordo com a investigação, a mulher foi atingida na nuca por uma pedra de amolar faca.

Karla recebeu pedradas na nuca na funerária da qual era dona - Foto: Arquivo Pessoal
Karla recebeu pedradas na nuca na funerária da qual era dona - Foto: Arquivo Pessoal

Valdemar tornou-se o principal suspeito da morte de Karla após análise das câmeras de segurança da funerária, que mostraram ambos entrando juntos no local. O homem segue a mulher até um cômodo. Cinco minutos depois, sai, troca de camisa e vai embora.

De acordo com a investigação da Polícia Civil, Valdemar, então, foi a São Paulo, onde suicidou-se no quarto de um hotel de propriedade de sua família.

Homem aparecia casado com outra mulher em rede socializar

Por mais que trabalhasse e morasse junto de Karla, Valdemar aparecia casado com outra mulher em uma rede social, conforme informações do Correio Braziliense. Ele utilizava uma outra conta para publicar fotos ao lado da atual namorada.

“Ele não tem passagem nenhuma com o nome que se apresentou para ela. Então, não sabemos se é ele mesmo. Estamos investigando. Eles se conheceram por meio de redes sociais”, disse o delegado-chefe da 6ª DP de Brasília, Ricardo Viana.