Suspeito de envolvimento na morte de major dos bombeiros é preso

Um dos suspeitos de sequestrar e matar o major dos bombeiros Wagner Bonin foi preso por policiais militares na noite de quinta-feira. Segundo a Polícia Militar, Washington Rogério Magalhães Braga foi confessou informalmente o crime durante uma abordagem na Avenida Brasil. Ele e mais dois homens que o acompanhavam foram encaminhados para a Delegacia de Homicídios da Capital. Apenas Washington ficou detido, e teve o pedido de prisão temporária acolhido pelo Plantão Judiciário na manhã desta sexta-feira.

Policial militar é preso em flagrante pela morte de outro agente na Zona Norte do Rio

Caso João Pedro: Justiça ouve duas testemunhas na segunda audiência sobre assassinato do adolescente

Wagner Bonin, de 42 anos, foi sequestrado e morto por traficantes na tarde de quarta-feira, em São João de Meriti, cidade da Baixada Fluminense, onde morava. Informações da Polícia Civil indicam que ele estaria fotografando barricadas montadas por bandidos na região e foi descoberto. Bonin, que teve o corpo carbonizado, era lotado no Grupamento de Operações Aéreas (GOA) do Corpo de Bombeiros.

Segundo a PM, após receber informações sobre uma possível fuga de criminosos envolvidos na morte do militar, na Comunidade São Mateus, em São João de Meriti, na Baixada Fluminense, agentes da corporação intensificaram o policiamento na região. Washington estava em um veículo junto com dois homens, que apresentaram comportamento estranho. Ao serem abordados e pressionados por policiais do Batalhão de Policiamento em Vias Expressas (BPVE), ele confessou informalmente a participação no crime.

O suspeito, ainda de acordo com a corporação, afirmou que estava em fuga para Campo Grande, na Zona Oeste do Rio, e disse que seu aparelho celular foi encontrado no local do crime. Os três homens foram detidos e encaminhados para a Delegacia de Homicídios da Capital, onde apenas Washington ficou preso após verificação de dados e expedição de mandado de prisão pelo Plantão Judiciário.