Suspeito de esfaqueamento no Canadá morre logo após prisão

Familiares de vítima de esfaqueamento no Canadá

Por Anna Mehler Paperny e Steve Scherer

TORONTO (Reuters) - O suspeito procurado pelas autoridades canadenses em uma onda de esfaqueamento no fim de semana que matou 10 pessoas dentro e ao redor de uma reserva indígena foi preso na quarta-feira, depois entrou em "socorro médico" inexplicável e morreu em um hospital, disse a polícia.

A notícia oficial de que a intensa caçada de quatro dias por Myles Sanderson, de 30 anos, terminou com sua morte veio durante uma entrevista coletiva tarde da noite, horas depois que a Real Polícia Montada do Canadá (RCMP) informou que ele havia sido preso.

A morte de Sanderson complicou as perspectivas de investigadores determinarem claramente um motivo para os ataques mortais de domingo, um dos atos mais sangrentos de violência em massa na história do país.

Seu irmão mais velho e acusado de cúmplice, Damien Sanderson, de 31 anos, foi encontrado morto na segunda-feira em uma área gramada da reserva James Smith Cree Nation, na província de Saskatchewan.

A polícia disse que ainda está investigando se o mais novo pode ter matado seu irmão após o ataque com faca, que ocorreu na reserva e na aldeia vizinha de Weldon, cerca de 320 km ao norte da capital da província, Regina.

Myles Sanderson foi preso perto da cidade de Rosthern, aproximadamente a meio caminho entre Weldon e a maior cidade de Saskatchewan, Saskatoon, depois que um morador de uma cidade vizinha relatou tê-lo visto com uma faca.

De acordo com a agência canadense Global News, várias fontes policiais disseram que Sanderson morreu de ferimentos não especificados que as autoridades acreditavam terem sido auto-infligidos.