Suspeito de estuprar e ferir mulher a tesourada na frente da filha da vítima é preso no Rio

Carlos Flávio da Silva dos Santos, de 27 anos, suspeito de estuprar e ferir mulher a tesourada em São Gonçalo, foi preso na tarde de sábado, em Santo Cristo, no Centro do Rio. Segundo a vítima, ele — que é um vizinho — invadiu sua casa na madrugada de Natal e praticou os crimes foram na frente a filha da mulher, de 3 anos.

O suspeito foi encontrado por policiais militares do 5º BPM (Praça da Harmonia), que auxiliavam no esquema de Réveillon da capital fluminense. Os agentes, que estavam na Rua Santo Cristo, suspeitaram de atitudes de Carlos Flávio que, quando abordado, se demonstrou nervoso. Ao constatarem o pedido de prisão em aberto, os policiais deram voz de prisão ao homem e o encaminharam à 4ª DP (Praça da República), onde foi confirmado o mandado.

A mulher de 24 anos tinha chegado em casa da ceia de Natal com a família havia pouco tempo. Ao GLOBO, a vítima contou que retornou para sua residência às 2h40 e que Carlos Flávio invadiu o imóvel às 4h55, pela área de serviço. No local, estavam apenas a mulher e sua filha de 3 anos, que presenciou as violências.

— Eram 4h55 quando escutei o barulho dele arrombando a porta, mas não sabia do que se tratava. Quando vi, ele já estava na minha porta e dizia que era pra eu deixar, que ele queria. Eu não reagi no começo, mas gritei quando o vi e foi aí que minha filha acordou, ela presenciou tudo — explicou.

Segundo ela, o homem também tentou bater na menina, mas foi impedido pela mãe, que precisou se jogar em cima da criança:

— Ele tentou bater na minha filha, eu deitei em cima dela para que ele não fizesse nada com ela. Levei socos na cabeça e nas costas, ele me bateu bastante. Nesse momento, comecei a gritar o mais alto que conseguia e ele fugiu — lembrou.

As violências duraram cerca de 20 minutos. Segundo a vítima, a todo momento pedia que a filha não chorasse e dizia “que o moço já ia embora”:

— Tapava os olhos dela como dava, pedia para virar a cabeça para o lado e tentava acalmá-la, que ia ficar tudo bem. Quando tentei afastá-lo, ele pegou uma tesoura e tentou furar meu pescoço, mas fez apenas um corte. Eu consegui tirar a tesoura dele, mas ele passou a me socar.

O caso foi registrado na Delegacia de Atendimento à Mulher (Deam) de São Gonçalo, onde foi requerido um mandado de prisão por estupro de vulnerável e tentativa de feminicídio.