Suspeito de financiar atos, empresário bolsonarista postou horas antes de invasão: 'Boiada chegando'

Apontado pela Advocacia-Geral da União (AGU) como um dos financiadores dos atos antidemocráticos do último domingo, o empresário João Carlos Baldan postou na manhã da invasão da Praça dos Três Poderes que a “boiada (estava) chegando” em Brasília. Baldan é apontado pela representação da AGU como o responsável por fretar um ônibus no dia 6 de janeiro de São José do Rio Preto, em São Paulo, com destino a Brasília.

Veja lista: Governo aponta primeiros suspeitos de financiar atos terroristas e pede bloqueio de R$ 6,5 milhões

Bomba caseira e bola de gude: Policiais do Senado detalham ações de terroristas para invadir Congresso

Em seu perfil, um dia antes dos ataques, ele narra que tinha “gente chegando por todo lado”. Mostrando pessoas com malas como se tivessem acabado de desembarcar, o empresário diz que iriam mostrar o que é um “pé na porta”. Ele também xingou o ministro do Supremo Alexandre de Moraes.

Em suas redes, Baldan, sócio de um frigorífico, exibe fotos com políticos bolsonaristas. Além do ex-presidente Jair Bolsonaro ele postou registros com a deputada federal Carla Zambelli (PL) e do governador de São Paulo Tarcísio Freitas (Republicanos). Nas últimas eleições ele também doou R$1 para a campanha de Bolsonaro. O valor, apesar de pequeno, pode ter feito parte de uma mobilização bolsonarista que tentou, através de doações de R$1 contabilizar os votos do ex-presidente.

Nas vésperas do primeiro turno de 2022, João Baldan postou uma foto com ameaças a apoiadores do PT. Na imagem intitulada “Pura matemática”, ele posiciona um projétil antes do número 13, em referência ao número da urna do PT. Logo depois, um sinal de igual e um cartucho já vazio.

O empresário, que se apresenta como um ex-militar da Aeronáutica, participou de motociatas durante 2022 e dos acampamentos com mensagens antidemocráticas em quarteis de São Paulo e Brasília. Entre fotos de sua caminhonete adesivada com “Supremo é o povo”, em setembro de 2021, ele publicou imagens atirando com um fuzil em um clube de tiro.

Procurado, João Carlos Baldan não respondeu os contatos da reportagem.