Suspeito por ataque com drone a apoiadores de Lula e Kalil é preso em Uberlândia

O agropecuarista Rodrigo Luiz Parreira, apontado pela polícia como o principal suspeito pelo ataque com um drone a apoiadores de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Alexandre Kalil (PSD), durante evento de pré-campanha, foi preso, em Uberlândia. Segundo o Ministério Público Federal (MPF) e a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública de Minas Gerais (Sejusp), a prisão aconteceu no último sábado e não tem relação com a ação no ato do ex-presidente. Não foram divulgados mais informações sobre o caso, porque a investigação corre sob sigilo.

Proteção: Delegado da PF que investigou facção criminosa coordenará segurança de Lula

Eleições 2022: Lula chama PEC aprovada no Senado de 'eleitoral' e diz que Bolsonaro 'quer comprar o povo'

O ataque com o drone aconteceu no dia 15 de Julho, na Universidade do Triângulo Mineiro (Unitri). Apoiadores do Partido dos Trabalhadores, que aguardavam o encontro entre Lula e Kalil, afirmaram terem sido atingidos por 'água de esgoto' lançada por um drone que sobrevoou o local naquela tarde.

O MPF afirma que as investigações sobre o ataque feito aos apoiadores petistas continuam em andamento, mas segue sem nenhuma novidade. O evento oficializou a aliança entre o ex-prefeito de Belo Horizonte e pré-candidato ao governo de Minas Gerais e o petista, pré-candidato à Presidência da República.

Investigação: Oposição deve recorrer ao STF para CPI do MEC começar antes das eleições

No dia do evento, a Polícia Militar deteve em flagrante três homens: Charles Wender Oliveira Souza, Daniel Rodrigues de Oliveira, além de Parreira. Segundo os agentes, o trio não tinha autorização para operar o equipamento e o caso foi encaminhado ao MPF.

Em um vídeo que circula pelas redes sociais, um dos homens diz que o drone, usado em plantações, despejava um veneno sobre os militantes. Outras publicações nas redes sociais afirmavam que o equipamento pulverizava fezes e urina sobre o público.

Três pessoas atingidas afirmaram que iriam pedir uma indenização de R$ 120 mil. A advogada Joana D'arc de Castro, que representava as vítimas, esteve em uma sessão da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), no dia 27 de junho, e afirmou que a ação foi planejada e perpetrada.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos