Suspeitos de assassinar casal no ES são presos; filha de 6 anos foi tirada do local

Na foto, casal que foi morto a tiros em Serra (ES) - Foto: Reprodução/TV Gazeta
Na foto, casal que foi morto a tiros em Serra (ES) - Foto: Reprodução/TV Gazeta

Quatro pessoas suspeitas de executar um casal com mais de 50 tiros na Serra, em Maringá, na Grande Vitória, no Espírito Santo (ES), no dia 10 deste mês, foram presas durante operação no último domingo (20).

A filha das vítimas, de 6 anos, que estava no local no momento da execução foi retirada do quarto pelos assassinos.

O quarteto foi preso no bairro Chácara Parreiral, no mesmo município. Com os suspeitos a polícia apreendeu dinheiro, munição, armas e drogas.

A Polícia Civil do Espírito Santo, por meio da Divisão Especializada de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Serra, foi responsável por coordenar a operação.

De acordo com a polícia, além da morte do casal, os suspeitos de 26, 30, 31 e 34 anos, também estão envolvidos em um homicídio ocorrido no dia 16 de novembro em Jardim Carapina, na Serra.

Relembre o caso

Um casal foi executado com quase 50 tiros, na madrugada do dia 10 de novembro, em Maringá, na Serra, Grande Vitória. A filha das vítimas foi retirada do quarto pelos assassinos.

O crime aconteceu por volta de 3h31. Os assassinos usaram um alicate para tirar o cadeado e entrar pelo portão da frente da casa e ainda arrombaram a porta dos fundos do imóvel para chegar até as vítimas, Márcio Rony Ventura Ferreira Oliveira, conhecido como "Buiu" de 34 anos e sua esposa, Bruna Mara Silva Oliveira Ventura de 26 anos.

Segundo a polícia, a filha do casal de seis anos foi retirada do quarto pelos assassinos antes da execução dos pais. Para matar o casal, os criminosos usaram cinco armas diferentes. As vítimas foram atingidas principalmente na cabeça.

Após a morte dos pais, a criança ficou vagando pela rua.

Ficha criminal

De acordo com a polícia, Márcio tinha sido preso por homicídio e estava com uma tornozeleira eletrônica. Ele foi preso em 2019, apontado como o mandante da morte de Emílio Augusto, de 56 anos.

Márcio, na época do crime, era o chefe do tráfico do bairro Maringá e, segundo as investigações da Polícia Civil, mandou matar Emilio por causa de dívidas de drogas e porque ele roubava carros, atraindo a polícia para a região.

A Secretaria Estadual de Justiça (Sejus), informou que Márcio já foi preso por dois homicídios e tráfico de drogas e deixou a prisão em abril deste ano por meio de alvará de soltura. Bruna foi presa e solta no mesmo dia por tráfico de drogas em outubro de 2018.