ANÁLISE-Suspensão de vendas de carne na Argentina favorece Brasil, mas sustenta preço do boi

·4 minuto de leitura
Frigorífico em San Fernando, Argentina

Por Nayara Figueiredo

SÃO PAULO (Reuters) - A suspensão das exportações de carnes recém-anunciada pela Argentina deve deslocar parte da demanda externa para o Brasil, seu concorrente direto, porém abre espaço para que as cotações do boi, que já operam em patamar elevado, alcancem novas máximas no mercado brasileiro, conforme analistas ouvidos pela Reuters.

O governo argentino disse na segunda-feira que o bloqueio de vendas por 30 dias é uma medida emergencial devido ao sustentado aumento no preço da carne bovina no mercado local.

"Afeta o Brasil positivamente porque, assim como no Brasil, a China é o principal mercado para os argentinos, então provavelmente os chineses deverão reforçar seus pedidos de carne no restante do mundo", afirmou nesta terça-feira o diretor da Scot Consultoria, Alcides Torres.

Ele lembrou que, segundo o governo argentino, a medida pode até ser revertida antes do prazo caso se encontre uma solução para limitar a inflação. Mas também há risco de continuidade da intervenção por mais tempo, o que, para os brasileiros, seria uma "oportunidade".

"Isso gera toda uma expectativa negativa quanto ao cumprimento de contratos pelos argentinos", acrescentou sobre a visão dos compradores internacionais.

Torres também disse que, historicamente, a Argentina já fez este tipo de intervenção na tentativa de controlar preços e não deu certo, por não existir uma relação direta entre as exportações e o preço interno da carne.

"O sistema funciona em ciclos (pecuários) e eles, assim como nós, estão em um ciclo de alta de preços", ressaltou ele.

Isso significa que há chances de as restrições aos embarques continuarem além do período estipulado.

MAS...

Parece um cenário perfeito para a concorrência, mas não é.

A diretora da consultoria Agrifatto, Lygia Pimentel, alertou que os compradores não deixarão de ser atendidos, mas este movimento também significa novas altas de preço para o Brasil, onde a escassez de gado já eleva os custos.

"É mais um fator de suporte para os preços pecuários, inclusive no médio/longo prazo, caso a restrição persista", afirmou ela.

Ainda que a medida dure apenas 30 dias, a especialista acredita que já seria suficiente para alguma movimentação nas cotações da arroba, mesmo que em menor proporção.

"Hoje a disponibilidade de carne é baixa globalmente, então tudo ajuda a sustentar as cotações", explicou.

No Brasil, a arroba bovina segue cotada acima de 300 reais, conforme o indicador do centro de estudos Cepea.

Do lado da demanda, as vendas externas têm dado sustentação aos preços da arroba.

A receita com a exportação de carne bovina in natura do Brasil subiu 2,3% no primeiro quadrimestre, para um recorde de 2,16 bilhões de dólares, com impulso da China, que respondeu por cerca de metade deste valor, segundo o Ministério da Agricultura.

EMPRESAS

A Marfrig Global Foods e a Minerva Foods são as empresas diretamente afetadas pela decisão argentina, por terem operações no país vizinho.

A Marfrig divulgou comunicado ao mercado nesta terça-feira dizendo que o impacto se limita a 1,3% da receita líquida consolidada.

E a expectativa é que a Minerva seja a mais afetada, pois no total as operações da Argentina representam cerca de 10% do faturamento global da empresa, disse o head de agronegócios da Criteria Investimentos, Rodrigo Brolo.

"Não vai cair pela metade (a receita) por causa de suspensão em 30 dias, mas abala a confiança dos investidores."

"A Minerva pode falar que agora vai exportar mais pelo Brasil para suprir essa falta, mas nem sempre é tão simples, pois aqui a qualidade do boi é diferente, os cortes diferentes, não é como vender milho ou soja, são produtos customizados."

No fim do dia, a Minerva afirmou em comunicado ao mercado que, de fato, vai utilizar da diversificação geográfica da companhia para atender os clientes internacionais pelas unidades do Uruguai, Paraguai, Brasil e Colômbia, após suspensão de vendas da proteína pela Argentina.

O analista de Agronegócio, Alimentos & Bebidas do Itaú BBA, André Hachem, acrescentou à Reuters que parte das perdas da Minerva com as exportações da Argentina poderá ser compensada por suas unidades em outros mercados através de um preço mais atrativo de venda.

"A Argentina representa cerca de 8% do comércio global de carne bovina. Tirando isso de circulação... os preços tendem a subir se o mercado (argentino) ficar fechado por mais tempo."

Em reação à decisão do governo, e para complicar o cenário no país vizinho, as principais associações agropecuárias da Argentina anunciaram nesta terça-feira uma suspensão das vendas de gado por nove dias em protesto contra a interrupção das exportações de carne do país.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos