Suu Kyi é condenada a 5 anos de prisão em Mianmar; UE fala em julgamento com viés político

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Aung San Suu Kyi
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

(Reuters) - Um tribunal de Mianmar, governado por militares, condenou a líder deposta Aung San Suu Kyi a cinco anos de prisão nesta quarta-feira depois de considerá-la culpada no primeiro de 11 casos de corrupção que ela enfrenta, disse uma fonte com conhecimento do processo.

A ganhadora do Prêmio Nobel e líder da oposição de Mianmar ao regime militar é acusada de pelo menos 18 crimes com penas máximas combinadas de prisão de quase 190 anos, quase eliminando qualquer chance de um retorno político.

O juiz proferiu o veredicto momentos após a convocação do tribunal e não deu explicações, disse a fonte, que não quis ser identificada porque o julgamento está sendo realizado a portas fechadas, com informações restritas.

Suu Kyi, que participou de todas as suas audiências, ficou descontente com o resultado e apelaria, disse a fonte.

A União Europeia confirmou a sentença em um comunicado. A UE disse que o julgamento foi politicamente motivado, um revés para a democracia e "representa mais um passo para o desmantelamento do Estado de direito e mais uma violação flagrante dos direitos humanos em Mianmar".

A mulher de 76 anos liderou Mianmar por cinco anos durante um curto período de tentativa de democracia antes de ser forçada a deixar o poder em um golpe em fevereiro de 2021 dado pelos militares, que governaram a ex-colônia britânica por cinco das últimas seis décadas.

Não ficou imediatamente claro se ela seria transferida para uma prisão para cumprir a sentença.

Desde sua prisão, ela está detida em um local não revelado, onde o chefe da junta, Min Aung Hlaing, disse anteriormente que ela poderia ficar após condenações em dezembro e janeiro por crimes comparativamente menores que levaram a uma sentença de seis anos.

O porta-voz do governo militar, Zaw Min Tun, não pôde ser encontrado para comentar, e não mencionou a decisão de Suu Kyi na quarta-feira durante uma entrevista coletiva na televisão que durou mais de 3 horas e meia.

O caso mais recente se concentrou em acusações de que Suu Kyi aceitou 11,4 kg de ouro e pagamentos em dinheiro, totalizando 600.000 dólares, de seu protegido que se tornou acusador, o ex-ministro-chefe da cidade de Yangon, Phyo Min Thein.

Suu Kyi classificou as acusações de "absurdas" e nega todas as acusações contra ela, que incluem violações de leis eleitorais e de segredos de Estado, incitação e corrupção.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos