Suzane von Richthofen é solta 20 anos após assassinato dos pais em SP

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Suzane von Richthofen foi solta na tarde deste quarta-feira (11) 20 anos após sua prisão, em novembro de 2002, pelo assassinato dos pais Manfred e Marísia na zona sul de São Paulo.

A Secretaria da Administração Penitenciária informou, por meio de nota, que a Justiça concedeu a ela a progressão ao regime aberto. O alvará de soltura de Suzane foi cumprido às 17h35.

Ré confessa, Suzane foi condenada em 2006 e está desde 2015 no regime semiaberto, no qual a execução da pena é realizada em colônias agrícolas, industriais ou em estabelecimentos similares. Em 2016, ela saiu pela primeira vez da prisão durante o feriado de Páscoa.

No regime semiaberto, o condenado tem direito de trabalhar e frequentar cursos profissionalizantes, de ensino médio ou superior durante o dia, regressando à noite para sua unidade.

De acordo com o código penal, no regime aberto, o condenado deverá, fora do estabelecimento e sem vigilância, trabalhar, frequentar curso ou exercer outra atividade autorizada, permanecendo recolhido durante o período noturno e nos dias de folga.

A lei ainda diz que o condenado será transferido do regime aberto, caso pratique fato definido como crime doloso, se frustrar os fins da execução ou se, podendo, não pagar a multa cumulativamente aplicada.

Procurado, o Tribunal de Justiça de São Paulo informa que o processo de cumprimento de pena de Suzane von Richtofen corre sob segredo de Justiça.

Por isso, o órgão informa que o regime aberto ocorreu após uma decisão da 2ª Vara de Execuções Criminais de Taubaté, após ser verificado o cumprimento dos requisitos estabelecidos pela Lei de Execução Penal -Suzane foi condenada a 39 anos de prisão pelo assassinato dos pais.

O crime em outubro de 2002 chocou o país. Na época, ela tinha quase 19 anos e era estudante de direito da PUC-SP. Segundo depoimento dos acusados à polícia, antes do assassinato, o irmão de Suzane -então com 15 anos- foi levado por ela até um cybercafé.

Em seguida, ela e o namorado, à época com 21, encontraram o irmão dele Cristian, 26, e seguiram para a casa. Suzane entrou e foi ao quarto dos pais para constatar que eles dormiam. Depois, acendeu a luz do corredor, e os rapazes golpearam o casal.

Inicialmente, a polícia acreditava se tratar se de um caso de latrocínio (roubo seguido de morte). Porém, a casa não tinha sinais de arrombamento e tanto o alarme quanto o sistema interno de vigilância estavam desligados.

Dias após o crime, a compra de uma moto com parte do valor paga em dólares levou a polícia a desconfiar dos irmãos. Em 8 de novembro de 2002, Suzane, Daniel e Cristian foram presos e confessaram ter planejado e matado o casal.

Suzane obteve liberdade provisória em junho de 2005, por decisão do próprio STJ. Ela voltou a ser presa em abril deste ano após a exibição de uma entrevista concedida ao "Fantástico", da Rede Globo, durante a qual -segundo o próprio programa- ela foi orientada pelos advogados a chorar e demonstrar fragilidade diante das câmeras.

Em 2006, ela voltou a ter a prisão domiciliar provisória permitida pelo então ministro Nilson Naves, do STJ (Superior Tribunal de Justiça). Um mês após a liminar em habeas corpus, ministros do STJ decidiram, por três votos a um, negar o pedido de habeas corpus. Assim, ela retornou sistema penitenciário.

O caso ganhou dois filmes lançados na mesma data em 2020. Os longas são baseados nos autos do processo do assassinato do casal Von Richthofen e abordam as versões apresentadas por Suzane e Daniel ao tribunal.

Às vésperas da estreia, Suzane entrou com uma ação contra a produtora Santa Rita Filmes por causa dos longas "A Menina que Matou os Pais" e o "Menino que Matou Meus Pais". A produtora, no entanto, ganhou todas as etapas em primeira instância do processo, que já foi transitado em julgado.