Suzano compra Vitex e Parkia por US$667 mi

SÃO PAULO (Reuters) - A fabricante de celulose Suzano anunciou nesta quinta-feira que assinou contrato para compra de todas as ações detidas pela Arapar e pelo fundo de investimento Florestais FIP na Vitex e na Parkia por 667 milhões de dólares.

O pagamento será em duas parcelas, a primeira no fechamento da transação e a segunda após doze meses, disse a empresa em fato relevante. O acordo ainda requer a aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Em nota a clientes, o Itaú BBA comentou que os ativos são de florestas, as mesmas que a Fibria vendeu para a Parkia em 2013: 206 mil hectares nos Estados de Mato Grosso do Sul, Bahia, Espírito Santo e São Paulo. Após a venda para a Parkia, a Fibria assinou contrato de compra de madeira dessas terras por 50 milhões de dólares por ano.

Segundo o Itaú BBA, a transação faz sentido porque a base florestal está localizada próxima às atuais fábricas da empresa, que tem uma posição de balanço mais confortável e um custo de dívida mais baixo do que quando a Fibria quando decidiu vender essa base florestal em 2013.

Além disso, "é um movimento defensivo, uma vez que o terreno comprado é grande o suficiente para que um potencial concorrente o utilize para instalar nova fábrica de celulose no Brasil", diz trecho do relatório assinado por Daniel Sasson e equipe.

Os analistas ainda comentaram que, do aspecto operacional, não esperam que o negócio traga mudanças para a Suzano, cuja ação tinha queda de 1% às 14h16 (horário de Brasília). No mesmo horário, o Ibovespa tinha alta de 0,4%.

(Por Gabriel Araújo e Aluísio Alves)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos