Técnico, reforços e renovações: Fluminense corre para garantir Libertadores e agilizar planejamento para 2021

Marcello Neves
·2 minuto de leitura

As chances de o Fluminense ir à Libertadores são de 99%, segundo o departamento de matemática da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais). Mas o objetivo principal está longe de ser cumprido. Faltando quatro rodadas para o encerramento do Campeonato Brasileiro, o foco é a vaga direta na fase de grupos, que será importante para o Tricolor agilizar o planejamento para a próxima temporada.

Tudo leva a crer que o calendário será alterado, mas atualmente as datas estão definidas assim: o Fluminense encerra o Campeonato Brasileiro diante do Fortaleza no dia 25 de fevereiro; três dias depois, estreia no Carioca contra o Resende. Já a pré-Libertadores tem os brasileiros debutando entre os dias 2 e 4 de março. Tempo para trabalhar será artigo de luxo em 2021 — e a falta dele pode atrapalhar o trabalho do próximo treinador.

Tudo indica que Roger Machado comandará a equipe na próxima temporada. O técnico de 45 anos está sem clube desde que foi demitido do Bahia, em setembro de 2020, e demonstrou interesse pelo projeto. Com isso, Marcão retornaria ao cargo de auxiliar permanente. Há o cuidado para que a passagem de bastão — independemente do nome a ser escolhido — seja feito sem traumas e que o nova assuma sem total desconhecimento do elenco.

Escolhido o treinador, outra pauta a ser resolvida com urgência são as renovações contratuais. Caio Paulista, Hudson e Felippe Cardoso tem contrato apenas até o fim de fevereiro e as permanências não estão garantidas. Mas como o Fluminense não está em condições finaceiras para fazer grandes investimentos, a tendência é que a extensão de vínculo seja utlizada.

Hudson, por exemplo, é quem mais agrada. O Tricolor já havia acertado com o São Paulo para que ele permanecesse até o fim do Brasileiro e agora deseja contar com o volante até dezembro de 2021. O clube e os empresários do volante de 32 anos conversam com frequência e ambos vêem com bons olhos a permanência. O Tricolor paga cerca de 75% dos vencimentos de Hudson.

Sobre Caio Paulista, o jogador ganhou importância na reta final do Brasileiro e a renovação até o final de 2021 também é estudada — o atacante pertence ao Tombense. Já Felippe Cardoso perdeu espaço na reta final do Brasileiro e não deve seguir no clube.

Sobre reforços, há o entendimento que o elenco precisa ser reforçado para a Libertadores, mas a linha não fugirá do habitual:a aposta é por empréstimos, pré-contratos e em jogadores livres no mercado. Samuel Xavier, do Ceará, é alvo para a lateral-direita, assim como Chico, do Atlético-GO, e Keko, ex-Goiás, são opções para o setor ofensivo. Nenhum reforço está acertado até o momento.