Taís Araújo se pronuncia sobre cabeleireiro e amigo envolvido em caso de racismo

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
***ARQUIVO***RIO DE JANEIRO, RJ, 06.03.2020 - Retrato da atriz Taís Araújo no Projac da Globo, no Rio de Janeiro. (Foto: Zô Guimarães/Folhapress)
***ARQUIVO***RIO DE JANEIRO, RJ, 06.03.2020 - Retrato da atriz Taís Araújo no Projac da Globo, no Rio de Janeiro. (Foto: Zô Guimarães/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Taís Araújo, 41, se pronunciou a respeito do caso de racismo envolvendo o cabeleireiro Wilson Eliodorio, de quem é amiga. Nesta semana, ele teceu comentários racistas a respeito do cabelo da modelo Mariana Messaqui, que participava do lançamento de uma marca de cosméticos para cabelos crespos e cacheados no salão dele.

Durante o evento, o profissional pega nos cabelos de Mariana e diz: "Filhote do patrão, né? Patrão comeu e gerou isso". Um vídeo com o momento viralizou nas redes sociais e o cabeleireiro, que já trabalhou com diversas famosas --entre as quais a própria Taís--, chegou a fazer uma publicação pedindo desculpas.

A mulher de Lázaro Ramos disse que demorou a se posicionar porque o caso tirou "o chão e a voz" dela. Ela pede que Eliodorio seja responsabilizado por seus atos.

"O racismo cometido pelo meu amigo e cabeleireiro Wilson Eliodorio me tirou o chão e a voz", afirmou. "Bateu doído. E por isso demorei a falar. E mesmo o amando não posso passar a mão em sua cabeça."

"Ele deve se responsabilizar por seus atos e se repensar enquanto homem negro, gay e profissional de beleza", avaliou. "Demorei também porque, antes de tudo, sou uma mulher negra e isto me atravessa. Atravessa a todas nós. Demorei porque é terrível ver que a estrutura racista desse país se perpetua até com os nossos, os que amamos."

atriz se colocou à disposição para ajudar as envolvidas no caso. Além de Mariana, a modelo Ruth Morgan também foi constrangida pelas atitudes do cabeleireiro durante o evento.

"Acima de qualquer coisa estou aqui para acolher Mariana Messaqui e Ruth Morgan, mulheres negras como eu que não aguentam mais desrespeito e racismo", disse Taís. "A vocês duas todo meu amor, respeito e gratidão por terem tido a coragem de falar. Saibam que este é um grande e importante passo na luta contra o racismo."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos