Tadeu Schmidt alerta participantes do 'BBB 23' sobre relacionamento abusivo devido a atitudes de Gabriel com Bruna

Espectadores identificaram abuso de Gabriel na forma como trata sua colega de jogo com quem formou casal, Bruna Griphao. O perfil da atriz nas redes sociais, administrado por uma equipe de comunicação enquanto ela está no reality show, também postou uma explicação detalhada sobre o problemático comportamento do participante. Diante da situação evidenciada pelas imagens, o apresentador do programa, Tadeu Schmidt, alertou o elenco do "BBB 23" sobre os riscos que envolvem o relacionamento abusivo num discurso neste domingo, antes da votação do primeiro paredão.

'The Masked Singer Brasil': Paulo Betti é o primeiro eliminado da terceira temporada

'Criado-mudo': entenda a polêmica reacendida por Marvvila, no 'BBB 23', a respeito do racismo no termo

— Antes da gente falar de Monstro e Paredão, tenho umas coisinhas para falar com vocês. Não é um diálogo, é um toque. Cara de Sapato falando sobre o casal Gabriel e Bruna: "Vocês são um casal muito chato", disse Cara de Sapato. Tina falando sobre o mesmo casal: "Vocês dois são tóxicos". Fora algumas caras incomodadas diante de certas cenas entre Gabriel e Bruna. Vocês estão percebendo que tem alguma coisa errada? Estou aqui para fazer um alerta antes que seja tarde — disse Schmidt aos participantes.

Bruna e Gabriel se beijaram pela primeira vez na madrugada de quinta-feira, dia 19, durante a primeira festa desta edição. Desde então, determinadas atitudes do rapaz, como segurar a jovem pelos ombros e arrastá-la em outra direção para que saísse de sua frente, além de certas falas, causaram preocupação entre internautas, que apontaram os erros dele em postagens nas redes sociais.

— Quem está envolvido em um relacionamento, talvez, nem perceba, ache que é normal. Mas quem tá de fora consegue enxergar quando os limites estão prestes a serem gravemente ultrapassados — acrescentou. — Olha esse diálogo que aconteceu ontem. Bruna falando: "Eu sou o homem da relação". Gabriel falando: "Mas já já você vai tomar umas cotoveladas na boca". Gabriel, em uma relação afetiva, certas coisas não podem ser ditas nem de brincadeira. Esse é o recado que eu queria deixar para vocês.

Pai de Bruna Griphao compartilha alerta sobre relacionamento abusivo e apoia filha: 'te amo'

O pai de Bruna Griphao tem usado seu perfil no Instagram para apoiar a filha no "BBB 23" e, com isso, acaba contribuindo com a divulgação de alertas sobre o que caracteriza um relacionamento abusivo.

"EU TE AMO!! Minha russa, eu tenho muito orgulho de vc!!! Tô com vc aonde for!!!", postou Paulo Griphao.

Mais cedo no domingo, o pai de Bruna também repudiou as atitudes de Gabriel.

"Esse programa é sobre quem é de verdade! Bem sobre isso. ABUSIVO FDP!!!", escreveu.

Em seguida, repostou a publicação apontando os erros de Gabriel na relação com Bruna, feita originalmente no perfil da atriz nas redes sociais por sua equipe de comunicação neste domingo.

Leia abaixo a publicação sobre relacionamento abusivo postada pela equipe de Bruna:

Bruna e Gabriel: sobre uma nova estrutura de abuso

Quando a gente fala em relacionamento abusivo, automaticamente nos vem um imaginário na cabeca: uma mulher fragilizada, dependente e calada e um homem poderoso, forte, viril e violento. Esse estigma é extremamente prejudicial, porque faz com que muitas mulheres que não são "frágeis" ou dependentes não se enxerguem vivendo uma relação abusiva, porque não se relacionam com um homem que diz "mulher minha não faz isso". Esse é o caso que estamos vendo no BBB.

Bruna está bem longe de fazer o tipo bela, recatada e do lar. Aparenta ser uma mulher livre, forte, destemida, que fala o que quer.

E Gabriel, por sua vez, está bem longe de fazer a performance do típico machão. Ele não fala alto, tem uma voz doce, fala calmo e pausado e não sobe o tom de voz.

Qual é a grande armadilha então? Embora Bruna não deite pra Gabriel — ela xinga, responde rispidamente, dá uns foras; ele faz com que ela se submeta a ele. E é exatamente essa a cilada que muitas mulheres poderosas e empoderadas vivem: é porque elas reagem aos abusos que vivem que acham que não estão sendo abusadas. Entretanto, se você tem que combater o tempo inteiro o seu parceiro, você não vive uma relação, e sim uma batalha.

Sem perceber, Bruna foi sugada por Gabriel. É uma líder que está mais preocupada em proteger um homem que não a tem como prioridade nem no jogo nem na vida; é uma mulher que não está percebendo como o jogo da paixão a vulnerabiliza. Gabriel, rapidamente alçado à galã mesmo sem o menor carisma, com sua autoestima delirante, não entende que precisa de Bruna mais do que ela precisa dele. Conta, delirantemente com o apoio de Anitta e com a identificação com Prior; o que faz com que ele assuma uma postura falida de vencedor apenas nas suas pobres projeções.

Do alto de uma convicção que só a masculinidade confere, Gabriel se incomoda com o jeito expansivo de Bruna, mas não rompe com ela. Contraditório? Não. Estratégia de controle. Homens fracos parasitam mulheres fortes. É por isso que Gabriel acha que o nome de Anitta pode conferir a ele permanência no jogo; assim como acha que Bruna pode beneficiá-lo.

Mas, para que não pareça que é ele quem precisa dela, ele precisa diminuí-la, constrangê-la, cerceá-la, pra usar uma palavra da própria Bruna. E assim, de repente, a própria Bruna é levada a achar que é ela quem precisa dele, quando na verdade é o contrário. Essa é a armadilha do parasitismo: cuidado com homens que te fazem trabalhar emocionalmente pra eles.

O que a gente vê no BBB acontece todos os dias com a gente, com as nossas amigas, com as mulheres que conhecemos. Mulheres incríveis serem apagadas por homens medianos. Bruna está sendo alertada por todos da toxicidade e do perigo de sua relação com Gabriel, e embora ela saiba disso, não consegue sair porque se sente responsável por ele. Está perdendo não só sua força e luz no jogo; mas também alianças poderosas e também amizades. E não é assim que ficamos quando vivemos uma relação abusiva? completamente isoladas?

O BBB é um reflexo da vida real e a gente precisa entender que a dinâmica dos abusos se transforma e se moderniza. Não é porque ele não grita com você que ele não é abusivo. Não é porque você reage no mesmo tom que ele deixa de ser abusivo. Se te limita, se te cerceia, se te maltrata, se te puxa pelos ombros, se te constrange, se te isola: não é amor, é abuso.