Representante comercial dos EUA busca negociações com China e não descarta novas ações tarifárias

·2 minuto de leitura
Representante comercial dos EUA, Katherine Tai

Por David Lawder e Andrea Shalal

WASHINGTON (Reuters) - A representante de Comércio dos Estados Unidos, Katherine Tai, prometeu nesta segunda-feira isentar algumas importações chinesas das tarifas impostas pelo ex-presidente Donald Trump, enquanto pressiona Pequim em conversas "francas" sobre a China não cumprir promessas feitas no acordo comercial de Trump e para que acabe com políticas industriais prejudiciais.

Tai disse que os EUA manterão todas as opções em aberto enquanto continuam pressionando a China a parar de injetar bilhões de dólares em subsídios estatais em suas indústrias de semicondutores, aço e outros setores, que, segundo Washington, prejudicam as empresas norte-americanas.

Ao divulgar os resultados de uma revisão completa de meses da política comercial envolvendo a China, Tai disse que buscará uma reunião com o vice-premiê chinês, Liu He, nos próximos dias para analisar a falha da China no cumprimento da Fase 1 do acordo comercial de fevereiro de 2020, incluindo um déficit nas compras prometidas de bens dos EUA.

"Acima de tudo, devemos defender - ao máximo - nossos interesses econômicos", disse Tai em um evento organizado pelo Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais. "Isso significa tomar todas as medidas necessárias para nos proteger contra as ondas de danos impostas ao longo dos anos pela concorrência desleal."

As declarações de Tai foram bem recebidas por grupos comerciais norte-americanos, embora eles tenham criticado a falta de um roteiro claro para acabar com as tarifas sobre produtos dos EUA, que atingiram empresas e consumidores de todo o país, e para expandir as oportunidades de comércio das empresas norte-americanas.

"Nossa preocupação é que essas tarifas permaneçam em vigor permanentemente e tenham um efeito negativo na economia dos EUA", disse Doug Barry, porta-voz do Conselho Empresarial EUA-China, que fala por 200 empresas que fazem negócios na China.

Tai também disse que resgataria um processo "direcionado" para aprovar as exclusões de tarifas punitivas dos EUA sobre certas importações chinesas, oferecendo uma medida de alívio para a indústria norte-americana, com a possibilidade de mais processos de exclusão no futuro. A maioria das isenções tarifárias anteriores havia expirado no final de 2020.

No entanto, ela não descartou o início de novas investigações sob a lei comercial da Seção 301, o que poderia resultar em novas tarifas, dizendo que isso dependerá das ações da China.

"Temos muito trabalho a fazer", disse Tai. "Por muito tempo, a falta de adesão da China às normas de comércio global minou a prosperidade dos norte-americanos e de outros ao redor do mundo."

Ela rejeitou a ideia de negociações separadas da Fase 2 previstas por Trump para lidar com questões como subsídios maciços às indústrias domésticas, dizendo que elas serão discutidas em conversas futuras.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos