Taiwan acusa China de bloqueio aeronaval devido à visita de Pelosi

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O governo de Taiwan afirmou nesta quarta-feira (3) que os exercícios militares que a China irá fazer em torno da ilha como resposta à visita da americana Nancy Pelosi a Taipé equivalem a um bloqueio aeronaval de seu território.

Pelosi, uma longeva crítica de Pequim, encontrou-se nesta manhã (noite de terça, no horário local) com a presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, na primeira visita de uma política com seu cargo em 25 anos a Taipé. Ela deixou a ilha por volta das 7h, no horário de Brasília, rumo à Coreia do Sul.

Pequim considerou a viagem, iniciada na terça (2) e que ainda incluirá o Japão, uma provocação e passou dias advertindo os EUA e Taiwan sobre ela, inclusive em um telefonema entre o presidente Joe Biden e o líder Xi Jinping. Pelosi, disse a Casa Branca, viajou por vontade própria e não foi impedida pelo princípio de separação dos Poderes vigentes em Washington, apesar de ter sido advertida de que não seria o melhor momento para tal ação.

Em resposta, a China avisou que fará exercícios militares em seis pontos ao redor da ilha que considera uma província rebelde. Serão simulações aeronavais com uso de tiro com munição real, obrigando grandes áreas de fechamento de espaço para evitar acidentes.

Na prática, como acusa o ministério, isso equivale a um bloqueio, e esse foi o recado de Pequim acerca da capacidade da ditadura comunista de isolar a ilha se assim desejar. Isso já havia sido expresso pela Defesa de Taiwan no fim de 2021, ao avaliar como a China poderia tentar submeter Taipé à sua vontade de integração territorial.

Em 1995, após a visita do então presidente taiwanês a Washington, Pequim também lançou mão do mesmo expediente: fez vários exercícios com disparos reais de mísseis em áreas em torno de Taiwan. Só que ali as quatro áreas atingidas ficavam concentradas no norte e no leste da ilha, e não em todo o seu entorno.

De forma calculada, o Comando Militar do Teatro Oriental do Exército de Libertação Popular informou que os exercícios vão durar de quinta (4) a sábado (6), dando assim tempo suficiente para o avião que trouxe Pelosi decolar.

Assim, a resposta militar fica aquém de algo mais agressivo e passível de criar um embate armado entre os rivais da Guerra Fria 2.0. A tensão em torno da visita de Pelosi é a pior nos últimos anos entre as potências, e ocorre no contexto do conflito na Ucrânia, no qual a aliada de Pequim Rússia invadiu também um vizinho.

Para todos os efeitos, as Forças Armadas de Taipé disseram que "a soberania de Taiwan foi violada" com os exercícios e que "se manterá em alerta". Mas, salvo outros movimentos chineses como uma até aqui esperada incursão aérea para teste de defesas ou um acidente na área de tiro real, a crise em tese deve ser contida do ponto de vista militar.

No encontro com Tsai, Pelosi reiterou o apoio americano à ilha. "Nossa delegação veio a Taiwan para deixar inequivocadamente claro que nós não iremos abandonar Taiwan", disse ela, para quem "a determinação dos EUA em preservar a democracia em Taiwan e no resto do mundo permanece férrea".

A americana afirmou que a China "não pode ficar no caminho de pessoas que venham a Taiwan", ao ser questionada por repórteres se haveria outras viagens de alto nível de autoridades dos EUA à ilha.

A presidente taiwanesa agradeceu a americana "por tomar ações concretas para mostrar seu apoio decidido nesse momento crítico.

Tsai ondecorou Pelosi, mais alta autoridade americana a visitar a ilha desde que seu antecessor Newt Gingrich o fez em 1997. Naquela ocasião, os chineses protestaram, mas a presença de um porta-aviões americano na região e sua fraqueza político-militar relativa não levaram a consequências mais sérias.

Agora, com o governo de Xi Jinping em plena reiteração de sua assertividade iniciada em 2012 e às vésperas da recondução do líder a um inédito terceiro mandato em novembro em meio a uma crise econômica, para não falar no ambiente mundial conflagrado, a história é outra.

Antes do encontro com a presidente, Pelosi esteve no Parlamento taiwanês, onde ouviu elogios à sua visita e discutiu temas como o combate à Covid-19 e questões econômicas, como a produção de semicondutores, campo vital da tecnologia no qual Taiwan é líder mundial.

Ela também se encontrou com ativistas pró-democracia, incluindo um veterando do massacre da praça da Paz Celestial, em 1989 na China, e um fugitivo da repressão de Pequim em Hong Kong.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos