Talibã enfrenta decisão 'existencial' sobre sua imagem internacional, diz Biden

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
Combatente talibã em Herat
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O Talibã enfrenta uma decisão "existencial" sobre qual será a imagem que o mundo terá dele após sua contundente vitória militar no Afeganistão, afirmou o presidente americano Joe Biden em uma entrevista exibida nesta quinta-feira (19).

"Acredito que estão enfrentando uma espécie de crise existencial sobre se querem ser reconhecidos pela comunidade internacional como um governo legítimo", disse Biden à rede ABC News.

A insurgência, que resistiu durante 20 anos de guerra a uma força internacional liderada pelos Estados Unidos e ao já desaparecido governo afegão apoiado pelo Ocidente, enfrentará agora problemas diferentes, estima.

Os talibãs "se preocupam se serão capazes ou não de manter a sociedade unida (...), se terão comida, renda (...), se conseguirão administrar uma economia", explicou Biden, ao reconhecer que os insurgentes impulsionam uma poderosa agenda islamita.

A queda do governo afegão gerou uma onda de pânico no país, que agora relembra o último regime do Talibã, entre 1996 e 2001, marcado por violações dos direitos humanos: proibiram as meninas de frequentarem a escola, impediram as mulheres de trabalharem ou saírem sozinhas sem um acompanhante e castigavam as acusadas de adultério com apedrejamento.

Nesse sentido, "a ideia que podemos ter dos direitos das mulheres em todo o mundo por meio da força militar não é racional", disse Biden na entrevista, a primeira que concedeu desde que a vitória do Talibã desencadeou uma frenética retirada militar dos Estados Unidos.

"Há muitos lugares em que as mulheres estão sendo subjugadas", destacou. "A forma de abordar isso é exercer pressão econômica, diplomática e internacional para que mudem seu comportamento".

O presidente reconheceu que muitas mulheres tentam sair do Afeganistão por meio da retirada dos Estados Unidos no aeroporto de Cabul, e garantiu que ordenou que "as retirem, que retirem suas famílias" de lá.

"Devemos retirar todas as que conseguirmos", enfatizou.

Os talibãs, que desejam mostrar uma imagem de moderação e mudança, se comprometeram a "deixar as mulheres trabalharem", mas "respeitando os princípios do Islã", sem mais detalhes.

Ao defender a caótica saída das últimas tropas americanas, aliados e afegãos, Biden disse que "não conta" que os talibãs mudem suas prioridades.

Por outro lado, "não sei se poderia ter previsto" a atual cooperação dos líderes talibãs com o exército americano para garantir uma saída segura dos cidadãos dos Estados Unidos, disse.

Caso grupos terroristas anti-EUA, como Al-Qaeda, voltem a se estabelecer no Afeganistão, os Estados Unidos mantêm "a capacidade de combatê-los", afirmou Biden, referindo-se a mísseis e outros ataques militares a longa distância.

Por enquanto, a ameaça é muito maior na Síria e na África oriental, disse.

sms/bfm/yo/rsr/aa

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos