Combates na primeira grande cidade do Afeganistão atacada por talibãs

·3 minuto de leitura
Casas atingidas em meio aos combates entre forças afegãs e talibãs em Qala-i-Naw

Os talibãs e as forças militares afegãs se enfrentavam nesta quinta-feira (8) pelo segundo dia consecutivo na cidade de Qala-i-Naw (noroeste), a primeira capital provincial do Afeganistão a ser atacada pelos insurgentes desde o início da retirada das tropas americanas.

O governo afegão enviou por helicóptero centenas de comandos à província de Baghdis, para enfrentar essa ofensiva insurgente.

"Os talibãs estão na cidade (...) Nós os vemos indo e vindo com suas motos", relatou Aziz Tawakoli, morador de Qala-i-Naw, capital da província de Badghis.

"As lojas estão fechadas. Quase não tem ninguém nas ruas, e quase metade dos moradores fugiu", acrescentou.

O presidente afegão, Ashraf Ghani, anunciou nesta quinta-feira que seu país está passando por uma das "etapas mais complicadas", em um momento no qual as tropas dos EUA e da Otan terminam sua retirada, mas insistiu que as forças do governo afegão têm capacidade para combater os Talibãs.

Em Londres, o primeiro-ministro Boris Johnson afirmou que a maioria das tropas britânicas presentes no Afeganistão já deixaram o país.

Por sua vez, o presidente dos EUA, Joe Biden, falará sobre a retirada de suas tropas do Afeganistão nesta quinta-feira, após uma reunião com sua equipe de segurança nacional.

- Retirada e ofensiva -

Na quarta-feira (7), algumas poucas horas depois de o Exército americano anunciar ter completado "mais de 90%" de sua retirada do Afeganistão, os talibãs - que já se apoderaram desde maio de grandes áreas rurais - entraram em Qala-i-Naw, cidade de cerca de 75 mil habitantes.

O Exército afegão logo lançou uma contra-ofensiva para retomar a cidade.

"Ninguém conseguiu dormir ontem à noite por causa dos bombardeios", relatou Parisila Herawai, também 0moradora de Qala-i-Naw.

"Como mulheres, estamos muito preocupadas (...) Se os talibãs ficarem na cidade, não poderemos trabalhar e perderemos todos os avanços em matéria de direitos das mulheres dos últimos 20 anos", disse ela.

Zia Gul Habibi, membro do conselho provincial de Badghis, afirmou que "a situação não mudou realmente" desde quarta-feira, com combates "esporádicos" na cidade.

Lamentou que "alguns membros das forças de segurança que se uniram aos talibãs ajudam-nos e orientam", completou.

Na quarta-feira, os insurgentes libertaram centenas de detidos da prisão municipal e assumiram o controle da delegacia.

No Twitter, o porta-voz do Ministério da Defesa, Fawad Aman, afirmou que "novos comandos chegaram a Badghis na noite passada e iniciarão uma operação de grande envergadura".

- Avanço implacável -

Segundo uma autoridade de segurança que pediu para não ser identificada, a ofensiva talibã "afetou as províncias vizinhas", incluindo Herat, limítrofe com o Irã, onde os insurgentes tomaram dois distritos.

"Isso espalhou um pouco de medo por toda parte", afirmou ele.

O encarregado de negócios da embaixada americana, Ross Wilson, criticou a ofensiva em Badghis que, segundo ele, "viola os direitos humanos" e "dificulta ainda mais a vida dos civis afegãos que já lutam contra a seca, a pobreza e o coronavírus".

Conforme relato da Human Rights Watch, os talibãs expulsaram as pessoas de suas casas e saquearam, ou incendiaram, casas no norte do Afeganistão.

Enquanto isso, a retirada das tropas americanas continua, apesar do avanço implacável dos talibãs e dos golpes sofridos pelas forças afegãs, que não contam mais com o crucial apoio aéreo dos americanos.

Na última semana, as forças estrangeiras abandonaram várias posições, incluindo a base aérea de Bagram, perto de Cabul.

Bagram foi a instalação militar mais importante da coalizão internacional no Afeganistão e centro nevrálgico de suas operações neste país desde a invasão americana na esteira do 11 de Setembro.

A Casa Branca garante que a retirada de suas tropas será concluída até o final de agosto. Isso porá um ponto final a 20 anos de presença americana no Afeganistão, a guerra mais longa dos Estados Unidos em sua história.

No fim, uma reunião entre os representantes talibãs e uma delegação do governo afegão foi concluída nesta quinta-feira em Teerã, segundo a agência iraniana Irna. Apesar de ambos lados pedirem por um fim dos conflitos, as negociações de paz interafegãs, iniciadas em setembro de 2020 em Doha, seguem em total ponto morto.

str-eb/at/dbh/pc/tt/bn

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos