Talibãs fecham comissão afegã de direitos humanos

As autoridades talibãs informaram, nesta terça-feira (17), que dissolveram a comissão independente de direitos humanos do Afeganistão, por "não considerá-la necessária".

Desde que o grupo islamista de linha-dura voltou ao poder em agosto passado, foram fechados vários organismos de proteção das liberdades dos afegãos, como a Comissão Eleitoral e o Ministério de Assuntos da Mulher.

— Temos algumas outras organizações para realizar atividades relacionadas aos direitos humanos, organizações que estão vinculadas ao Poder Judiciário — disse o porta-voz adjunto do governo, Inamulá Samangani, à AFP, sem dar mais detalhes.

O trabalho da comissão, que incluía a documentação das vítimas civis da guerra de duas décadas no Afeganistão, foi interrompido quando os talibãs derrubaram o governo apoiado pelos Estados Unidos, e seus diretores fugiram do país.

O Conselho de Segurança Nacional e um conselho de reconciliação que promovia a paz também foram fechados no fim de semana, quando o governo anunciou seu primeiro orçamento anual.

— Esses departamentos não são considerados necessários, por isso foram dissolvidos. Mas, no futuro, se forem necessários, suas operações poderão ser retomadas — afirmou Samangani.

Os talibãs enfrentam um déficit financeiro aproximado de 44 bilhões de afeganes (cerca de US$ 500 milhões). De volta ao poder, inicialmente prometeram um governo mais moderado do que o de seu primeiro regime, de 1996 a 2001. O grupo vem, no entanto, erodindo as liberdades de muitos afegãos, especialmente as mulheres, que enfrentam cada vez mais restrições na educação, no trabalho e no vestir.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos