Tarcísio anuncia Arthur Lima na Casa Civil e Natália Resende em supersecretaria

O governador eleito de São Paulo Tarcísio de Freitas anunciou nesta sexta-feira dois novos nomes para seu futuro gabinete. Arthur Lima vai comandar a Casa Civil, enquanto Natália Resende ficará responsável pela supersecretaria integrando as áreas de Infraestrutura, Meio Ambiente, Logística e Transportes.

Leia: Kassab se fortalece em disputa com bolsonaristas e será secretário de Tarcísio em SP

Veja também: Tarcísio anuncia nova supersecretaria com Infraestrutura, Meio Ambiente, Logística e Transportes

Resende integra o grupo de trabalho da mesma área na equipe da transição e trabalhou como consultora jurídica do Ministério da Infraestrutura sob a gestão Tarcísio. Ela é procuradora federal da Advocacia-Geral da União (AGU), mestre e doutoranda em Tecnologia Ambiental e Recursos Hídricos pela Universidade de Brasília (UnB).

Primeira mulher anunciada no novo secretariado, ela vai concentrar em seu gabinete temas-chave como obras, sustentabilidade e licenciamento. Na administração federal, ela ajudou o então ministro na estruturação de leilões.

Transição: Frota deixa equipe de transição de Lula a justifica decisão nas redes: 'ataques covardes e preconceituosos'

Saiba mais: Diretor-geral da PRF vira réu por improbidade administrativa, mas Justiça adia decisão de afastamento por férias do agente

A pasta da infraestrutura é simbólica para Tarcísio, por isso sua supervalorização. Nomeado pelo presidente Jair Bolsonaro, ele comandou o ministério análogo do governo federal entre janeiro de 2019 e março de 2022. Tarcísio operou a concessão de aeroportos e deixou o processo do Porto de Santos encaminhado ao deixar o cargo. O desempenho o cacifou para abrir palanque ao presidente no estado de São Paulo com sua candidatura ao governo paulista.

DIversas promessas de campanha passarão pela nova secretaria, como a implementação do Trem Intercidades e a possível privatização da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). O governador eleito mencionou a universalização do saneamento e a segurança hídrica, com obras de transposição de reservatórios e combate a perdas, como desafios que estarão sob a alçada de Resende.

STF: Moraes nega transferência de Roberto Jefferson do presídio para hospital particular

Entenda: Deputado bolsonarista propõe anistia para manifestantes que participaram de atos antidemocráticos após vitória de Lula

Lima, por sua vez, foi seu homem de confiança no Ministério da Infraestrutura. Ele presidiu a Empresa de Planejamento e Logística, vinculada à pasta e hoje transformada em Infra S.A. após sua incorporação pela Valec Engenharia, Construções e Ferrovias S.A. Ele é advogado formado pela UnB e bacharel em Ciências Militares pela Academia Militar das Agulhas Negras (Aman).

– O que a Casa Civil vai fazer? Vai ter o papel de ser o centro de governo, um órgão responsável por dar governança, fazer a articulação e o monitoramento de todas as secretarias. A secretaria vai coordenar o trabalho das demais, vai arbitrar os conflitos – afirmou Tarcísio.

Apesar de Lima na Casa Civil, o presidente do PSD, Gilberto Kassab será o responsável pela articulação política, segundo Tarcísio. O dirigente deve ocupar a Secretaria de Governo.

A nomeação fortalece Kassab em meio a uma disputa com aliados de Bolsonaro, que demonstram incômodo com o protagonismo do dirigente na articulação política. Após a informação sobre sua participação no governo circular, emissários de Bolsonaro entraram em campo para baixar a fervura de bolsonaristas em São Paulo. Eles pretendem conversar com quem expressar insatisfação pública contra o aliado de Tarcísio.

O dirigente do PSD é mal visto pela militância bolsonarista, principalmente após se envolver na articulação para integrar a base do governo Lula no Congresso. Nos últimos dias, a influência de Kassab sobre a transição irritou bolsonaristas e gerou risco de rompimento com militantes mais radicais.

Insatisfeita com os rumos das nomeações, que até agora não contemplaram nomes do bolsonarismo, uma ala iniciou ataques contra um dos membros da transição de Tarcísio, Pedro Mastrobuono, presidente do Instituto Brasileiro de Museus, considerado "esquerdista".