Tarcísio encerra campanha em berço do PT e provoca rivais

Candidato do Republicanos ao governo de São Paulo, Tarcísio de Freitas encerrou sua campanha neste sábado com uma carreata em São Bernardo do Campo, berço do Partido dos Trabalhadores (PT), e fez provocações aos rivais.

Leia: Pesquisa qualitativa: Confira o desempenho de Lula e Bolsonaro no debate da Globo, bloco a bloco

Segundo turno: Quais os números de Tarcísio e Haddad, candidatos ao governo de SP no 2º turno?

É a última agenda de Tarcísio antes da eleição neste domingo, quando enfrenta Fernando Haddad (PT) nas urnas, mas ele deixou aberta a possibilidade de estar com Jair Bolsonaro (PL) mais tarde, caso o presidente venha à capital paulista.

Tarcísio chamou seu ato em São Bernardo de "simbólico" e disse que a cidade "expulsou" o PT. Ao seu lado estava o prefeito do município, Orlando Morando (PSDB), que grudou no ex-ministro de Bolsonaro no segundo turno após ter apoiado o governador Rodrigo Garcia (PSDB).

Ele rasgou elogios ao novo aliado, com quem disse ter tido "amor à primeira vista", e ouviu do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP), também ao seu lado, que havia "pintado um clima" com o tucano. O termo faz referência à declaração de seu pai, Jair Bolsonaro, sobre uma visita feita a meninas venezuelanas na periferia do Distrito Federal — e que lhe rendeu uma avalanche de críticas por ter insinuado interesse nas garotas.

Na reta final: Em caminhada em São Bernardo do Campo, Haddad critica postura de Tarcísio em episódio em Paraisópolis

— É simbólico (encerrar a campanha em São Bernardo). É berço do PT e que hoje expulsou o PT. São Bernardo não quer mais o PT, tem trauma da administração do PT — afirmou Tarcísio à imprensa.

São Bernardo do Campo tem histórico de gestões petistas, mas elegeu e reelegeu um prefeito do PSDB a partir de 2017. Os últimos mandatos do PT na cidade foram entre 2009 e 2016, com o ex-ministro do Trabalho e da Previdência Social de Lula, Luiz Marinho.

Morando é mais um tucano a embarcar na campanha do Republicanos, ao lado de Garcia, José Serra e outros deputados da sigla. Por outro lado, Geraldo Alckmin, um dos fundadores do PSDB e hoje vice de Lula, tem acompanhado Haddad em seus comícios.

Sem seu discurso no ato, Eduardo Bolsonaro elogiou o aliado e fez ataques a Luiz Inácio Lula da Silva (PT), adversário de seu pai, e disse que a Câmara dos Deputados deve aprovar a redução da maioridade penal a partir do ano que vem. Tanto Eduardo quanto Tarcísio afirmaram confiar na virada de Bolsonaro sobre Lula, hoje na liderança nas pesquisas.