Tarcísio muda agenda e decide ir a reunião de Lula com governadores em Brasília

Estragos provocados por bolsonaristas durante protestos antidemocráticos em Brasília

SÃO PAULO (Reuters) -O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), decidiu ir a Brasília nesta segunda-feira para uma reunião de governadores com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva marcada após os ataques de vândalos apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro ao Palácio do Planalto e aos prédios do Congresso e do Supremo Tribunal Federal (STF), informou a assessoria do governo paulista, após inicialmente informar que ele não iria ao encontro.

A assessoria do governo do Estado havia informado no inicio da tarde que Tarcísio não compareceria à reunião com Lula pois precisava permanecer no Estado para manter as tratativas com prefeitos sobre os desdobramentos das fortes chuvas que têm atingido municípios paulistas nos últimos dias.

Posteriormente, no entanto, a assessoria do governo do Estado divulgou nota informando que Tarcísio estará na reunião de Lula com os chefes dos Executivos estaduais.

O governador de São Paulo é afilhado político de Bolsonaro, de quem foi ministro da Infraestrutura, e sua candidatura ao Palácio dos Bandeirantes foi pessoalmente patrocinada e articulada pelo ex-presidente, derrotado por Lula na acirrada eleição presidencial do ano passado.

Recentemente, no entanto, Tarcísio tem procurado se distanciar do bolsonarismo radical --chegou a afirmar que não é um "bolsonarista raiz"--, ao mesmo tempo em que expressa gratidão ao seu padrinho político.

No domingo, após os ataques de vândalos bolsonaristas que invadiram e depredaram as sedes dos Três Poderes, Tarcísio condenou no Twitter condenar os atentados e afirmar que atos do tipo não acontecerão em São Paulo.

"Para que o Brasil possa caminhar, o debate deve ser o de ideias e a oposição deve ser responsável, apontando direções. Manifestações perdem a legitimidade e a razão a partir do momento em que há violência, depredação ou cerceamento de direitos. Não admitiremos isso em SP!", escreveu o governador, que exerce pela primeira vez um cargo eletivo e, assim como Bolsonaro, foi capitão do Exército.

Lula se reunirá com governadores em Brasília no final da tarde desta segunda, em um encontro pedido pelo Fórum dos Governadores e que deverá servir para avaliar a situação de segurança no país após os ataques aos Três Poderes.

Em nota no domingo, o Fórum dos Governadores manifestou indignação e repúdio aos ataques, que levaram Lula a decretar intervenção federal na segurança pública do Distrito Federal até o final deste mês.

O ministro Alexandre de Moraes, do STF, determinou o afastamento do governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB), do cargo por 90 dias.

(Reportagem de Eduardo SimõesEdição de Pedro Fonseca)