Tarcísio nomeia PM citado no processo do Massacre do Carandiru para cargo na Administração Penitenciária

O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), nomeou para o seu governo um coronel da reserva da Polícia Militar citado no processo do Massacre do Carandiru.

Leia mais: Tarcísio se equilibra entre bolsonarismo e gestos a Lula

8 de janeiro: Justiça determina que governo do DF divulgue lista de bolsonaristas radicais liberados após audiência de custódia

Sérgio de Souza Merlo vai ocupar o cargo de "assessor técnico de gabinete" na Secretaria de Administração Penitenciária, comandada pelo também coronel da reserva da PM Marcello Streifinger, segundo consta no Diário Oficial do Estado de São Paulo deste sábado.

Apesar de estar citado no processo do Carandiru, Merlo não participou do massacre que resultou na morte de 111 presos em outubro de 1992. No dia, o então primeiro-tenente estava à frente de um pelotão responsável por fazer uma varredura nas celas após os assassinatos.

De acordo com o Ministério Público, Merlo estaria junto a um grupo que espancou presos já rendidos. Em 2014, sua pena foi julgada extinta na primeira instância em razão da prescrição.

Cronologia do terror: como golpistas promoveram um ataque histórico à República

O julgamento dos envolvidos no Massacre do Carandiru foi suspenso em novembro do ano passado por conta de um pedido de vistas feito pelo desembargador Edison Brandão. Não há data definida para a retomada da análise das apelações.

Em nota, a Secretaria da Administração Penitenciária disse que as nomeações são realizadas "exclusivamente com base em critérios técnicos". A pasta ressaltou que Merlo é bacharel em Direito pela Faculdade de Direito do Largo São Francisco e tem mais de trinta anos de experiência na administração pública.