Tarcísio vota no interior de SP e diz ter feito campanha limpa e propositiva

ÃO JOSÉ DOS CAMPOS, SP (FOLHAPRESS) - O candidato ao Governo de São Paulo Tarcísio de Freitas (Republicanos) votou na manhã deste domingo (30), por volta das 11h20, no Colégio Saloni, em São José dos Campos (90 km da capital). Ele disse estar confiante na vitória.

O ex-ministro da Infraestrutura do presidente Jair Bolsonaro (PL) e aposta do mandatário em São Paulo estava acompanhado de familiares e do candidato a vice-governador na sua chapa, Felicio Ramuth (PSD).

Durante todo o trajeto entre o prédio onde mora até o Colégio Saloni, Tarcísio foi cercado por eleitores que manifestavam apoio e pediam selfies. O candidato atendeu a todos os pedidos.

Após votar, Tarcísio falou com jornalistas em frente ao colégio. Ele disse que, independentemente do resultado, agradece o carinho que recebeu dos paulistas ao longo da campanha eleitoral.

"Fizemos uma campanha limpa e propositiva. Por onde passamos, fomos recebidos com carinho", disse o candidato.

Questionado, ele disse não acreditar que os episódios envolvendo os bolsonaristas Carla Zambelli (PL), deputada federal reeleita, e Roberto Jefferson, ex-presidente do PTB, tenham impactado negativamente sua campanha.

"Acho que não, acho que não [tenha lhe prejudicado]", afirmou. "Não vi exatamente o que aconteceu, não acompanhei, não tenho nada para comentar", concluiu, sobre o episódio com a deputada.

A deputada bolsonarista perseguiu um homem diz ter atirado para o alto após ser xingada em frente a um restaurante nos Jardins, na zona oeste de São Paulo, na tarde deste sábado (29). Um de seus seguranças também atirou no crítico da deputada, o jornalista Luan Araújo, 32. Naquele momento, ela pedia votos no Tarcísio.

Zambelli teve a arma apreendida e foi liberada em seguida por não ter infringido a lei eleitoral, segundo a SSP (Secretaria de Segurança Pública).

Em nota, a secretaria afirmou que a perseguição ocorreu a mais de 100 metros de uma seção eleitoral e, portanto, não pode ser enquadrada como descumprimento da resolução eleitoral que proíbe o transporte de armas nas 48 horas que antecedem e sucedem o dia de votação.

Já Roberto Jefferson, aliado de Bolsonaro, jogou granadas e atirou contra agentes da Polícia Federal que cumpriam ordem de prisão de Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), na semana passada.

Tarcísio deve seguir para São Paulo para acompanhar a apuração dos votos, a partir das 17h, ao lado de correligionários. (Tania Campelo, São José dos Campos)